"Não somos imunes ao populismo." Bruno de Carvalho chega aos jornais internacionais

Miguel Poiares Maduro, ex-ministro e proeminente sportinguista, diz que o que se passa no clube é um sinal de alerta para o país. Declarações publicadas no site Politico que dedica um artigo a Bruno de Carvalho em que relaciona o futebol com o populismo

A um dia da assembleia geral que pretende destituir Bruno de Carvalho da presidência do Sporting, o site Politico dedica-lhe um extenso artigo com o título "A Parábola do populismo do futebol português". Nesse artigo, Miguel Poiares Maduro, antigo ministro e um sportinguista proeminente, deixa um alerta sobre crise que se vive no clube: "Isto pode ser uma advertência, mas é também um sinal de alerta para Portugal... mostra a Portugal que não somos um país imune ao populismo."

"Os populistas começam a apresentar-se como representantes do povo contra a elite. Então reivindicam poder absoluto para lutar contra as conspirações dessas elites. Foi exatamente isso que vimos no Sporting ", acrescenta Poiares Maduro, que durante esta crise chegou a ser apontado como possível candidato à presidência do clube, intenção que entretanto negou.

Na associação que o Politico faz entre o futebol português e o populismo, são também recuperadas as declarações do Presidente da República, aquando do ataque os jogadores do Sporting em Alcochete: "Não podemos ter dois Portugais - um com democracia e estado de direito e outro à margem da legalidade e das regras democráticas", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Para o antigo ministro, que saiu no ano passado do Comité de Governação da FIFA, "Portugal é apenas um exemplo do problema da concentração de poder no futebol. Melhorias genuínas em nível nacional ou internacional precisarão de intervenção externa". E mais: "O futebol não é capaz de se reformar... qualquer mudança real no sistema precisará ser imposta de fora."

O Politico refere ainda que Bruno de Carvalho "é muitas vezes apelidado de Donald Trump do futebol português". E que sendo Portugal um país que escapou ao surto global das políticas violentas, a ascensão e queda do presidente do Sporting é vista como uma advertência sobre os perigos do populismo.

Mas escreve que Bruno de Carvalho está longe de ser o único responsável pelo profundo mal-estar no futebol português. Alegações de irregularidades financeiras, combinação de resultados e outros delitos envolvem os três grandes clubes, com várias investigações policiais em andamento.

Exclusivos