Crise na Catalunha pode penalizar PIB português

Para o banco central, a crise política em Espanha representa "um risco descendente relevante para a economia portuguesa". A descida poderá atingir os 0,3 pontos percentuais até 2019

O Banco de Portugal (BdP) estima que a crise na Catalunha possa penalizar o crescimento do PIB português em cerca de 0,3 pontos percentuais, em termos acumulados, entre 2018 e 2019, num cenário de incerteza persistente e prolongada.

No Boletim Económico divulgado esta sexta-feira, o banco central quantifica o impacto potencial na economia portuguesa de um aumento da incerteza associada às tensões políticas na Catalunha, tendo em conta que a crise política "constitui um risco descendente relevante para a economia portuguesa, atendendo ao peso de Espanha nas relações económicas internacionais de Portugal e as eventuais repercussões a nível europeu", cita a Lusa.

A análise parte das estimativas do Banco de Espanha para o impacto no PIB (Produto Interno Bruto) espanhol de dois cenários possíveis: um em que há um aumento temporário da incerteza e outro em que essa situação é mais persistente.

Para as contas relativas à economia portuguesa, a instituição liderada por Carlos Costa considerou dois canais de transmissão destes efeitos: "um mais direto, associado ao comércio externo com Espanha, e um mais indireto, decorrente de uma maior incerteza na Europa, refletindo em parte fenómenos de contágio".

Os resultados a que o BdP chegou apontam para que, no primeiro cenário, "o impacto sobre a taxa de variação do PIB é negligenciável, inferior a 0,1 pontos percentuais", ao passo que, no segundo, "o impacto é de cerca de 0,1 ponto e 0,2 pontos nas taxas de crescimento anuais do PIB em 2018 e 2019, respetivamente", o que se traduz num impacto acumulado de 0,3 pontos percentuais nestes dois anos.

Além do efeito direto da incerteza em Espanha, o banco central considerou ainda "um efeito indireto decorrente de uma concomitante subida da incerteza na Europa, especialmente no cenário de tensões prolongadas na Catalunha".

Assim, incorporando este efeito em cada um dos cenários, o BdP concluiu que tal implicaria "uma redução mais considerável do crescimento do PIB face ao cenário base", pelo que, "no cenário de aumento persistente da incerteza, esse impacto ascende a -0,3 pontos percentuais em 2018 e 2019".

Quanto ao impacto das tensões políticas da Catalunha na própria economia espanhola, o Banco de Espanha - citado pelo BdP no boletim - antecipa que possa haver "impactos significativos no crescimento económico e na estabilidade financeira em Espanha".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.