Crimes de corrupção descem para quase metade

O número de crimes de corrupção registados pelas autoridades policiais diminuiu cerca de 43% entre 2007 e 2016, passando de 122 para 69

O anúncio foi feito esta quinta-feira pela Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ) e foram divulgadas a propósito do Dia Internacional contra a Corrupção, que se assinala no sábado.

A taxa de redução anual deste tipo de crimes situa-se nos 6,1%.

Estes dados dizem respeito aos crimes de corrupção registados pela Polícia Judiciária, PSP, GNR, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e Polícia Judiciária Militar, de acordo com a Lusa.

Em relação ao movimento processual na PJ durante aquele período, verificou-se uma diminuição de processos por corrupção entrados, findos e pendentes até 2012, registando-se a partir deste ano e até 2016 um aumento de quase 60% dos processos entrados, uma subida de 23,5% dos findos e igualmente mais 62% dos pendentes.

No entanto, entre 2007 e 2016, ocorreu uma diminuição de cerca de 3,1% no número de processos entrados, redução acompanhada por uma diminuição mais acentuada do número de processos saídos (14,1%).

As estatísticas indicam também que o crime de corrupção ativa contra o Estado, cometidos no exercício de funções públicas, é o mais frequente nos tribunais de primeira instância entre 2007 e 2015, passando em 2016 a ser mais dominante os crimes de corrupção passiva (ato ilícito) contra o Estado, cometidos no exercício de funções públicas.

O número de condenados por corrupção cresceu todos os anos entre 2007 e 2009, tendo a partir de 2010 apresentado uma quebra nessa tendência.

No total dos nove anos, os condenados aumentaram cerca de 9,6%, passando de 52 em 2007 para 57 em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?