Aluna de 14 anos agrediu colega com faca

"Uma rapariga fartou-se da brincadeira e ameaçou outro rapaz com uma faca", atingindo-o no joelho, explicou fonte da GNR de Sintra.

A GNR foi chamada hoje à escola EB23 de Alvide, Alcabideche (Cascais), depois de uma alegada agressão entre dois alunos de 14 anos, que acabou com um deles a sofrer um corte ligeiro de faca no joelho. Segundo o capitão Ribeiro, da GNR de Sintra, tudo aconteceu pelas 10.30, no recreio da escola, com uma suposta brincadeira entre uma aluna e um aluno, que envolveu empurrões. A rapariga ter-se-à fartado e sacou de uma faca que trazia, de 10 centímetros, para afastar o colega. Ao gesticular com a faca na mão terá cortado o rapaz na zona do joelho, inadevertidamente, segundo a mesma fonte. O colega sofreu apenas um corte ligeiro mas a GNR decidiu chamar os bombeiros, por precaução. A escola, por sua vez, chamou ao local os pais dos dois alunos.

A Guarda está agora a tentar apurar porque razão a rapariga trazia consigo uma faca. Tratanto-se de um episódio de violência escolar, a GNR comunicou o caso ao Ministério Público. Como os dois envolvidos são menores de 16 anos, o caso será tratado pelo Tribunal de Família e Menores da comarca de Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.