Costa segura ministro adjunto mas admite que foi cometido um "lapso"

PSD e BE exploraram, perante António Costa, as polémicas em torno de Pedro Siza Vieira. Chefe do governo garante que ministro adjunto não está a violar lei das incompatibilidades. Ministério Público vai analisar o caso

Quatro dias, duas polémicas. Uma sobre conflito de interesses, outra sobre incompatibilidades. Discreto q.b., o ministro adjunto obrigou a que o primeiro-ministro, seu amigo desde os bancos da Faculdade de Direito, viesse em sua defesa no debate quinzenal para garantir que não houve conflito de interesses no caso da OPA da China Three Gorges (CTG) à EDP e que também não há incompatibilidades por Siza Vieira ter sido sócio de uma empresa que atua no ramo imobiliário e da consultoria empresarial, registada um dia antes de entrar para o governo.

Mas se por um lado defendeu o seu ministro, por outro não deixou de admitir que Siza Vieira pode ter de responder em tribunal: "Se terá consequência por parte de outras entidades, só outras entidades o podem dizer." Já depois do debate, ficou a saber-se que o Ministério Público vai investigar o caso, para avaliar se existiram irregularidades no exercício das funções de Siza Vieira enquanto membro do governo. Em comunicado, a PGR informou que o MP vai proceder à "análise das declarações de incompatibilidades e de rendimentos do declarante" e que "só findo este procedimento poderá pronunciar-se sobre a existência ou não de incompatibilidades, que submeterá à apreciação do Tribunal Constitucional".

Fonte governamental garante ao DN que não terá havido má-fé do ministro na criação da empresa, até porque antes tinha dado um exemplo ao desvincular-se da Linkelaters, "onde ganhava muito dinheiro". Ontem, o próprio Siza Vieira admitiu que entrou em incompatibilidade, mas que resolveu a questão mal se apercebeu: "Quando tomei posse, só posteriormente tomei consciência de que não se pode ser gerente, ainda que não remunerado, de uma sociedade familiar e por isso pedi a renúncia quando me foi chamada a atenção para isso."

A lei sobre incompatibilidades estabelece que a titularidade de cargos políticos e de altos cargos públicos é "incompatível com quaisquer outras funções profissionais remuneradas ou não, bem como com a integração em corpos sociais de quaisquer pessoas coletivas de fins lucrativos". A Prática Magenta tem um capital social de 150 mil euros, divididos ao meio entre o ministro adjunto e a sua mulher. O ministro renunciou em janeiro à gerência. "Durante cerca de dois meses não tinha essa noção", disse Siza Vieira à margem de uma conferência da Gulbenkian. Acrescentou que renunciou "imediatamente" e "a sociedade não teve ainda felizmente qualquer atividade comercial".

No Parlamento, em mais um debate quinzenal, o primeiro-ministro foi obrigado a enfrentar as polémicas em torno de Pedro Siza Vieira, segurando o ministro adjunto. O assunto foi explorado primeiro pelo PSD (Fernando Negrão, líder parlamentar) e depois pelo BE (Catarina Martins, líder do partido).

Perante Negrão, António Costa reconheceu que o ministro cometeu um "lapso" quando, de outubro de 2017 a janeiro de 2018, acumulou a função governamental com a de sócio gerente da empresa. A situação, disse, foi "retificada" e agora "não existe qualquer incompatibilidade", sublinhou Costa.

O chefe do governo também assegurou que não existiu qualquer "conflito de interesses" no facto de Pedro Siza Vieira ter lidado no governo com a questão da OPA da China Three Gorges (CTG) à EDP - sendo a empresa chinesa cliente da sociedade de advogados Linklaters, de que Siza era associado antes de ir para o governo. É que, explicou, aquela sociedade trabalhou para a CTG mas o próprio Siza Vieira não.

Em resposta a Catarina Martins, assegurou também que Pedro Siza Vieira não teve qualquer intervenção na decisão do governo de chumbar uma proposta do BE para que se criasse uma nova taxa sobre a EDP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?