Costa quer "respostas concretas" para crescimento económico e emprego

Em Atenas, primeiro-ministro português defendeu a necessidade de "reforçar o investimento". E justificou cimeira dos países do Sul

António Costa espera que a Europa encontre "respostas concretas" para o crescimento económico e o emprego, temas que motivam "angústia" nos cidadãos. Falando em Atenas, Grécia, onde participou esta sexta-feira na cimeira de líderes dos países do sul da União Europeia (UE), o primeiro-ministro português antecipou aquilo que espera da cimeira informal dos Estados-membros que terá lugar na próxima semana em Bratislava (Eslováquia).

"É prioritário que saibamos sair de Bratislava com respostas concretas ao maior fator de angústia para os cidadãos, que tem a ver com as perspetivas de crescimento económico na Europa, de criação de emprego, em particular para os jovens, e perspetivas de termos futuro numa comunidade partilhada", afirmou aos jornalistas.

Segundo Costa, há um entendimento destes líderes do sul da Europa para ser reforçado o investimento no conjunto da UE. "É necessário reforçar o investimento", defendeu o primeiro-ministro, recuperando uma das bandeiras do seu executivo, para apontar que "as condições para reforçar o investimento têm de se adaptar às condições específicas de cada um dos países", até porque alguns "têm largos excedentes e tinham aliás o dever de investir mais" mas outros têm algumas limitações nesse sentido.

Sobre este encontro de líderes de países do sul do espaço europeu, o primeiro-ministro frisou: "Não temos de ter vergonha de ser do Sul. Temos de saber assumir na UE uma posição que defenda também a perspetiva de todos estes países. É a melhor forma que temos para que a Europa no seu conjunto esteja melhor posicionada no mundo."

Do conjunto de "pontos de vista e sensibilidades" dos vários países faz-se, acredita António Costa, "uma Europa unida", caso contrário haverá uma "Europa a várias velocidades ou fragmentada em várias regiões". A cimeira de hoje - a primeira reunião de chefes de Estado e de Governo de países do sul da UE - "não é para dividir, é para unir", servindo como "forma de reforçar a unidade da UE sobre uma região da Europa que é absolutamente crucial".

O governante diz ser importante que os líderes europeus se juntem "nas suas famílias políticas" ou a nível regional para "combinar diálogos" com vista a uma resposta concertada a vários desafios, não só a nível económico mas também no combate ao terrorismo, por exemplo.

"É esse esforço que temos de fazer para que não possamos continuar a ignorar os sinais inequívocos que os cidadãos vão dando de insatisfação relativamente ao estado em que a Europa se encontra. O 'Brexit' [saída do Reino Unido da UE] não foi um acaso, a subida da extrema-direita em muitos países não é um acaso, a subida de populismo noutros países não é um acaso", advogou.

A reunião de hoje, promovida por Atenas, conta para além do primeiro-ministro helénico, Alexis Tsipras, e do seu homólogo português, com os chefes dos executivos de Chipre, França, Itália e Malta, e com um representante do executivo espanhol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.