António Costa quer contratação de mais 5000 investigadores doutorados até 2020

"É possível registar-se um aumento da produção científica em Portugal", acrescentou

O primeiro-ministro assumiu esta quinta-feira como metas do Governo a contratação de mais 5.000 investigadores doutorados até 2019 e uma intensidade de investimento em investigação e desenvolvimento entre 2,7 e 3,3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) até 2020.

Estas posições de António Costa foram assumidas no encerramento da conferência "Sobre o futuro da ciência em Portugal", no Fórum Picoas, em Lisboa, num discurso em que citou o antigo Presidente da República Mário Soares sobre a importância do objetivo do desenvolvimento científico em Portugal e em que também se referiu, com rasgados elogios, ao trabalho do falecido ministro Mariano Gago ao longo da sua carreira académica e política.

Entre os desígnios do Governo, o primeiro-ministro defendeu a tese de que só com a garantia de condições de estabilidade laboral na ciência "é possível registar-se um aumento da produção científica em Portugal".

"Neste Governo iniciámos um processo que irá permitir que todos os bolseiros do pós doutoramento há mais de três anos vejam a sua bolsa substituída por um verdadeiro contrato de trabalho com garantia de direitos laborais. O combate à precariedade ao nível do emprego científico assume especial prioridade, precisamente porque se conhece o impacto que tem o trabalho de investigação no desenvolvimento social e económico do país", justificou o líder do executivo.

De acordo com o primeiro-ministro, o objetivo do Governo, com o programa de estímulo ao emprego científico, é o de contratar "cinco mil investigadores doutorados até 2019, o que dará um forte impulso à atividade científica nacional".

"Outra linha passa pelo reforço da ligação entre as instituições científicas e o tecido empresarial. É essencial voltar a estimular as relações colaborativas entre as instituições de Ensino Superior e o mundo empresarial", sustentou.

Um segundo ponto do discurso de António Costa relacionou-se com a defesa da ideia de que o défice de qualificações "é o principal bloqueio estrutural para um maior crescimento económico de Portugal".

"Para sermos mais competitivos, é imprescindível aumentarmos as qualificações de nível superior e intensificar o investimento em investigação e desenvolvimento, que sofreu uma importante quebra nos últimos anos. O Governo assume como objetivos, até 2020, o aumento para 40 por cento da percentagem de diplomados na faixa etária dos 30 aos 34 anos, bem como o reforço do investimento em investigação e desenvolvimento em percentagem do produto, alcançado uma intensidade entre 2,7 e 3,3 por cento, o que colocará Portugal ao nível da média europeia", adiantou ainda.

Antes do discurso de António Costa, o cientista, professor jubilado, deputado socialista e presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Alexandre Quintanilha, fez uma breve intervenção durante a qual defendeu que o objetivo de Mariano Gago "já não é hoje uma utopia, mas uma meta bem real".

A sessão foi aberta pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, que definiu entre as principais prioridades do Governo a "abertura da base social de acesso ao conhecimento, a internacionalização das instituições científicas nacionais e o alargamento do número de investigadores no topo do sistema científico português".

Falando após a cientista e professora Universidade do Porto Maria de Sousa, o ministro da Ciência, tal como António Costa, também citou Mário Soares para defender a ideia de que a ciência tem de constituir um desígnio nacional.

"Precisamos de reforçar a corresponsabilização dos setores público e privado, através da aposta em laboratórios colaborativos. Os desafios estão aí e não esperam por nós", advertiu Manuel Heitor, numa alusão ao quadro global de competitividade na ciência.

No panorama da União Europeia, o membro do Governo salientou que a recomendação passa pela atribuição de uma verba equivalente a três por cento do PIB para as áreas da investigação e desenvolvimento.

"Neste domínio, em concreto, verifica-se também uma clara divergência entre Estados-membros do Norte e do Sul da Europa. E essa divergência tem de ser objeto de debate", frisou Manuel Heitor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.