Costa na lista das pessoas a ter em conta na Europa em 2018

Ranking de 28 personalidades foi anunciado hoje pelo site Politico. Primeiro-ministro português surge entre os dez primeiros.

Apelidado de "o esquerdista de sucesso", António Costa é o nono na lista de 28 pessoas que a versão europeia do site Politico garante que irão "moldar a Europa em 2018".

O primeiro-ministro português é descrito como um "caso raro na Europa de hoje: um socialista de sucesso", mas também como um "um duro lutador político escondido atrás de um pronto sorriso de campanha", com o Politico a dizer que "depois de guiar o seu partido para uma vitória recorde nas eleições autárquicas de outubro", Costa entra no novo ano "esperando fazer ainda melhor".

O site lembra que António Costa viu a sua popularidade beliscada pela forma como o governo geriu os incêndios de junho e outubro, mas que "os apoiantes de Costa esperam que a rápida recuperação económica de Portugal restabeleça rapidamente a posição do primeiro-ministro".

Costa é ainda elogiado pela "sua habilidade notável para equilibrar as exigências de esquerda para reverter o apertar de cinto da recessão com uma poupança cautelosa que agradou aos investidores estrangeiros e aos parceiros de Portugal na zona euro".

É também recordado que no próximo ano, "Costa terá de continuar a sua ação de equilíbrio económico, enfrentar um novo líder da oposição e usar as suas habilidades políticas para gerir um relacionamento complicado com os dois partidos de extrema-esquerda que apoiam o seu governo minoritário", sublinhando que o objetivo do primeiro-ministro é "garantir uma maioria absoluta nas próximas eleições legislativas, previstas para 2019".

O Politico refere também os elogios feitos pelos socialistas europeus, como o do ex-presidente francês François Hollande. "O que está a acontecer em Portugal é um exemplo do que se consegue fazer com um programa de governo que é ao mesmo tempo credível e fiel aos teus valores".

A Classe de 28 para 2018 do Politico é liderada pelo alemão Christian Lindner, o líder dos liberais alemães que fez cair as negociações de uma coligação com Angela Merkel, deixando a Alemanha num impasse político. Segue-se Michael Gove, o ministro britânico do ambiente e um dos mentores do brexit, e Muriel Pénicaud, a ministra do Trabalho de França e um dos nomes fortes do governo de Emmanuel Macron.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.