Costa fala de "excelente momento" para estreitar relações com a Roménia

Disse ainda que é importante a presidência romena da União Europeia, entre janeiro e junho de 2019, ser "coroada de um grande sucesso"

O primeiro-ministro, António Costa, considerou esta quarta-feira ser um "excelente momento" para estreitar relações entre Portugal e Roménia, sublinhando a importância da presidência romena da União Europeia, entre janeiro e junho de 2019, ser "coroada de um grande sucesso".

António Costa recebeu hoje, no Palácio Foz, em Lisboa, a primeira-ministra da Roménia, Vasilica-Viorica Dancila, tendo aproveitado para homenagear a comunidade romena em Portugal, que "é hoje a quarta comunidade estrangeira mais importante a residir" no país.

"Este é um excelente momento para podermos estreitar as nossas relações, quer do ponto de vista bilateral, quer no âmbito da União Europeia, onde habitualmente partilhamos a mesma visão de uma Europa que assegure a paz, que fomente a prosperidade e que reforce a coesão entre os diferentes países da União Europeia", defendeu.

Tendo os dois homólogos assinado hoje três acordos de cooperação nas áreas da medicina e da ciência, o primeiro-ministro recordou que as relações entre os dois países "têm uma longa história" e ainda no ano passado celebraram 100 anos, sendo Portugal e a Roménia cada vez mais parceiros mais sólidos.

António Costa afirmou que a Roménia "se prepara para assumir, dentro de poucos meses, a presidência da União Europeia", o que acontecerá entre janeiro e junho de 2019, considerando "muito importante que esta presidência romena seja coroada de um grande sucesso".

Esta presidência, concretizou o chefe do Governo português, "vai ocorrer num momento muito desafiante" para a União Europeia, com a conclusão das negociações com o Reino Unido para o 'Brexit', o orçamento europeu plurianual, a consolidação da reforma da Zona Euro e as questões migratórias.

"É uma presidência que se vai desenvolver já no quadro da próxima presidência portuguesa, que terá lugar em 2021 e em que teremos que apresentar ainda à presidência romena o programa tripartido entre a Alemanha, Portugal e a Eslovénia para dar sequência ao próximo trio de presidências", sublinhou ainda.

Segundo António Costa, a história entre Portugal e a Roménia "tem permitido desenvolver as relações bilaterais do ponto de vista económico e do ponto de vista cultural".

"E a assinatura hoje, destes acordos que aqui assistimos, entre instituições cientificas portuguesas e romenas e da cooperação no domínio da saúde entre Portugal e a Roménia são uma marca simbólica da vontade que temos de continuar a desenvolver e a estreitar estas relações, que do ponto de vista humano se estreitam diariamente com o contributo que muitos romenos dão para o desenvolvimento do nosso país, aqui vivendo, trabalhando, estudando", observou.

Entre os três acordos de cooperação hoje assinados, um foi no âmbito da política de saúde e da medicina, entre os ministérios da saúde de ambos os países, cooperando Portugal e a Roménia em matérias como os recursos humanos, a troca de boas práticas na política do medicamento, os planos de emergência e e-health.

Outro dos acordos firmados foi de cooperação entre a Universidade de Lisboa e a Universidade de Medicina e Farmácia de Tirgu Mures.

Um terceiro memorando de entendimento foi ainda assinado entre o Instituto Superior Técnico e o Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento para a Física e Engenharia Nuclear "Horia Hulubei" da Roménia referente à implementação do projeto infraestrutura de Luz Extrema - Física Nuclear, uma iniciativa europeia que visa criar o laser mais potente do mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.