Costa elogia discurso "justo, tranquilizador e motivador" de Marcelo

Sobre as acusações de Paula Teixeira da Cruz à maioria de esquerda, Costa disse apenas: "não ouvi"

O primeiro-ministro elogiou hoje o discurso do Presidente da República na sessão comemorativa do 25 de Abril no parlamento, considerando que foi "justo" em relação ao passado, "tranquilizador" face ao presente e "motivador" para o futuro.

António Costa falava aos jornalistas na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, que hoje, para assinalar os 42 anos da revolução de 25 de Abril de 1974, está de portas abertas ao público até às 19:30.

Interrogado sobre o discurso proferido pelo Presidente da República na Assembleia da República, o líder do executivo disse que Marcelo Rebelo de Sousa "foi rigoroso e justo com o trabalho extraordinário que o país fez nos últimos 40 anos para vencer um legado muito grande de atraso que a ditadura tinha deixado" a Portugal.

"Acho que o discurso do Presidente da República foi muito tranquilizador sobre o presente, mas foi também muito motivador em relação ao futuro. Como há pouco me dizia uma senhora, convém não esquecer que há muitos milhares de pessoas que têm como principal preocupação o desemprego - e isso deve-nos motivar a trabalhar para vencer esse desafio", declarou o primeiro-ministro.

Já quando foi questionado sobre como encarou o discurso proferido no parlamento pela ex-ministra da Justiça e deputada do PSD Paula Teixeira da Cruz, com duras acusações à atual maioria de esquerda, António Costa deu a seguinte resposta: "Essa parte não ouvi".

Sobre os apelos à unidade feitos pelo chefe de Estado, o primeiro-ministro referiu que o atual regime democrático "é em si um enorme consenso".

Tendo ao seu lado o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, o primeiro-ministro defendeu que a democracia é "o regime do diálogo permanente".

De seguida, o primeiro-ministro fez uma referência ao processo de formação do atual executivo, que é suportado no parlamento pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda.

"Depois das últimas eleições legislativas, demonstrou-se que há mais oportunidades de diálogo do que muita gente imaginou durante muito tempo. Isso permite soluções novas e resposta novas", sustentou.

Para António Costa, para futuro, "não se pode desistir de travar a batalha que há para travar e que é a continuação do 25 de Abril de 1974. Temos de ter cada vez uma melhor democracia, mais desenvolvimento e maior igualdade para todos".

Antes de sair para o Palácio de Belém, o primeiro-ministro e o presidente da Câmara de Lisboa ainda assistiram à atuação do guitarrista Pedro Joia nos jardins de São Bento.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.