Costa diz que Sampaio derrotou Marcelo por ser autêntico

Palavras do primeiro-ministro foram proferidas na sessão de apresentação do segundo volume da biografia do antigo presidente da República, que decorreu hoje em Lisboa.

O secretário-geral do PS sustentou hoje que Jorge Sampaio derrotou Marcelo Rebelo de Sousa na corrida à Câmara de Lisboa, em 1989, porque foi "autêntico" no decisivo debate televisivo, ao contrário do atual chefe de Estado.

António Costa falava na sessão de apresentação do segundo volume da biografia de Jorge Sampaio, da autoria de José Pedro Castanheira, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Após salientar que não estava na sessão na qualidade de primeiro-ministro, António Costa referiu-se às dificuldades que Jorge Sampaio, então líder do PS, enfrentou nas eleições para a Câmara de Lisboa diante de Marcelo Rebelo de Sousa em 1989 e apontou uma explicação para a sua vitória.

"A autenticidade de Jorge Sampaio [que liderou uma lista conjunta com o PCP e UDP] foi o fator capital na primeira campanha que travou para a presidência da Câmara Municipal de Lisboa, em que derrotou a coligação PSD/CDS liderada por Marcelo Rebelo de Sousa. Nessa campanha, Jorge Sampaio partiu em desvantagem e esteve mesmo quase até ao fim em desvantagem", disse António Costa.

Segundo o atual líder do executivo, o ponto de viragem na campanha foi o debate televisivo com Marcelo Rebelo de Sousa.

"Jorge Sampaio estava preocupado com esse debate, achando que inevitavelmente o levaria à derrota. Dizia que o professor Marcelo é brilhante, fala muito bem, é criativo e, como tal, é imbatível em debate. Nós dissemos a Jorge Sampaio que o debate, pelo contrário, era o momento para ele marcar a diferença. Dissemos-lhe que havia uma coisa fundamental a fazer no debate, ser autêntico", contou o atual líder socialista.

Ora, de acordo com António Costa, no frente-a-frente com Marcelo Rebelo de Sousa, Jorge Sampaio "foi tão esmagador que inverteu depois as sondagens e ganhou as eleições".

"Jorge Sampaio foi nesse debate o advogado, que tinha uma causa para defender, foi autêntico e contou com uma enorme vantagem: O seu adversário não foi autêntico", considerou o secretário-geral do PS e primeiro-ministro.

Na perspetiva de Costa, antes desse debate, provavelmente Marcelo Rebelo de Sousa foi mal aconselhado.

"Depois de já ter mergulhado no Tejo e de ter conduzido um táxi, num frenesim bastante intenso, provavelmente disseram a Marcelo Rebelo de Sousa que tinha ali de mostrar uma grande ponderação, porque Jorge Sampaio é mais velho e figura de respeitabilidade".

"Marcelo Rebelo de Sousa entrou nesse debate a querer ser outra pessoa, outra pessoa que ele não é ainda hoje", afirmou, justificando as causas da derrota do atual Presidente da República nas eleições para a Câmara de Lisboa em 1989.

Exclusivos