Costa diz que o maior défice estrutural é nas qualificações

Primeiro-ministro considera o programa Qualifica, substituto do Novas Oportunidades, uma chave para a inovação

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje que o "maior défice estrutural" que o país apresenta é o das qualificações, sustentando que a "chave" do problema passa pelo setor da inovação.

"O país tem ouvido falar muito de défices ao longo dos últimos anos, mas o maior défice estrutural que o país tem e que se acumulou durante séculos, que se acumulou durante as décadas do século XX, foi mesmo o défice das qualificações", disse.

Para o primeiro-ministro, que apresentava no Centro de Ciências do Café em Campo Maior, no distrito de Portalegre, o programa Qualifica, destinado à educação e formação de adultos, a "chave" para o futuro do país "está na inovação", sendo, na sua opinião, a "primeira condição" para a inovação, a qualificação para dos recursos humanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.