Costa diz que o maior défice estrutural é nas qualificações

Primeiro-ministro considera o programa Qualifica, substituto do Novas Oportunidades, uma chave para a inovação

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje que o "maior défice estrutural" que o país apresenta é o das qualificações, sustentando que a "chave" do problema passa pelo setor da inovação.

"O país tem ouvido falar muito de défices ao longo dos últimos anos, mas o maior défice estrutural que o país tem e que se acumulou durante séculos, que se acumulou durante as décadas do século XX, foi mesmo o défice das qualificações", disse.

Para o primeiro-ministro, que apresentava no Centro de Ciências do Café em Campo Maior, no distrito de Portalegre, o programa Qualifica, destinado à educação e formação de adultos, a "chave" para o futuro do país "está na inovação", sendo, na sua opinião, a "primeira condição" para a inovação, a qualificação para dos recursos humanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.