Costa "deu à sola", acusa o PSD

Para o PSD, é preciso esclarecer os motivos da demissão

António Domingues e os restantes administradores da CGD continuam obrigados a declararem rendimentos no Tribunal Constitucional (TC) apesar de se terem demitido, afirma o PSD. Numa conferência de imprensa na Assembleia da República, o líder da bancada social-democrata acrescentou ainda que a renúncia "não apaga" os deveres de esclarecimento que no seu entender os administradores demissionários e o Governo devem sobre todo o caso.

Luís Montenegro centrou-se, em particular, no primeiro-ministro, que tem sido "o ator principal deste filme". António Costa, acusou, "deu à sola e não assumiu as suas responsabilidades".

Para o PSD é preciso esclarecer os motivos da demissão, se houve ou não conflitos de interesses quando António Domingues negociou a recapitalização da CGD em Bruxelas (sendo então ainda vice-presidente do BPI) e o que foi ou não garantido aos administradores para estes assumirem funções.

Montenegro sublinhou enfaticamente que o seu partido não tem qualquer responsabilidade na instabilidade que atinge o banco público. "Aquilo que causa instabilidade é a falta de informação. É absurda a crítica de que foi o PSD a criar instabilidade."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.