Costa confirma conclusão de acordo político com "Os Verdes"

Costa falava no final da Comissão Nacional do PS, que durou cerca de quatro horas

O secretário-geral socialista, António Costa, afirmou hoje que considera "fechado" o acordo político com "Os Verdes" para a formação de um executivo do PS e destacou a aprovação por ampla maioria da proposta de programa.

António Costa falava no final da Comissão Nacional do PS, que durou cerca de quatro horas e que aprovou com 163 votos a favor, duas abstenções e sete contra a proposta de programa de Governo socialista.

Interrogado se estava fechado o acordo político com o Partido Ecologista "Os Verdes", depois de o mesmo já ter acontecido na quinta-feira à noite com o Bloco de Esquerda, o líder socialista respondeu que "sim".

Confrontado com o facto de só no domingo o PCP, na sequência de uma reunião do seu Comité Central, poder dar por fechado o acordo político com o PS, António Costa respondeu: "Todos os dias são importantes".

Em relação ao resultado da reunião da Comissão Nacional do PS, o secretário-geral socialista disse encará-lo "com satisfação, já que significa que há uma unidade muito grande no PS em torno da solução que está a ser construída".

"Isso, em si, é um fator muito positivo, porque esta solução de formação de um Governo exige estabilidade e requer que exista num horizonte de uma legislatura. Nestas circunstâncias, esta solução precisa naturalmente de um apoio muito claro do PS. Acho que na Comissão Nacional do PS houve um debate muito enriquecedor", afirmou António Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.