Costa colocou "Maria de Lurdes Rodrigues mais próxima do PSD do que do atual governo"

PSD acusa PS de ter política "retrógrada" na educação e a, a nível económico, de seguir "internacional syrizista".

O primeiro vice-presidente do PSD, Jorge Moreira da Silva, disse esta noite durante o Conselho Nacional do PSD que a política "retrógrada" que o executivo PS tem seguido na educação "torna Marçal Grilo e Maria de Lurdes Rodrigues mais próximos do PSD do que do atual governo".

Jorge Moreira da Silva referia-se ao fim de uma parte significativa do financiamento para os contratos de associação, questão que tem marcado o debate político nas últimas semanas. O dirigente social-democrata disse ainda que a atual visão para a educação atira o país para antes da primeira revisão constitucional. "Há muito tempo que desapareceu [em Portugal] a ideia de que o serviço público se confunde com serviço estatal", atirou Moreira da Silva.

Em conferência de imprensa, o vice-presidente do PSD acusou o PS de fazer parte de um "internacional syrizista", com uma política orçamental "irresponsável", uma política económica "anacrónica" e uma política social "ideológica". Moreira da Silva comparou várias vezes Portugal à Grécia.

O dirigente social-democrata acusou o Governo do PS de estar em "campanha eleitoral" e de ter destruído todos os bons indicadores que o anterior executivo tinha conquistado para a economia portuguesa.

Num cenário negro, Moreira da Silva enumerou sinais negativos como a "redução das exportações em 3,9%", destacou que "o investimento parou" e falou ainda da quebra da "confiança dos investidores". Lembrou ainda que quando o governo PSD/CDS terminou as suas funções, o país "crescia acima da média europeia" e agora só cresce acima da Grécia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.