Costa diz que margem orçamental não pode ir toda para salários

Primeiro-ministro admitiu a inexistência de recursos em áreas como a Segurança Social, a educação, a saúde e as forças de segurança

O primeiro-ministro advertiu hoje que toda a margem orçamental não pode ser gasta com salários de quem já está na administração pública e que tem de haver meios para a contratação de mais pessoal para os serviços.

António Costa falava na cerimónia de apresentação do novo simulador de pensões, em Porto Salvo, Oeiras, depois de o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, ter referido que abriu um concurso para recrutamento externo de mais 200 profissionais para a Segurança Social.

O primeiro-ministro pegou neste apontamento de Vieira da Silva e reconheceu que na Segurança Social, tal como na saúde, educação ou forças de segurança, "faltam recursos que é necessário preencher".

"Temos de ser capazes de gerir a margem orçamental que temos - e que está prevista no Programa de Estabilidade - de uma forma inteligente. Isso passa necessariamente por prosseguir a trajetória de reposição dos vencimentos na administração pública e de desbloqueamento das carreiras", declarou, antes de deixar um recado a quem pressiona por mais aumentos salariais.

"Não podemos consumir integralmente essa margem [orçamental] com a evolução dos vencimentos de quem já está na administração pública, não deixando margem para fazer algo que é essencial para a melhoria da qualidade dos serviços públicos e das próprias condições de trabalho dos atuais funcionários públicos, que é a necessidade de abertura de concursos externos para o reforço de pessoal nos diferentes serviços", justificou.

Neste ponto, o primeiro-ministro referiu-se depois ao objetivo do combate à precariedade dentro dos serviços públicos e, novamente, à necessidade complementar de contratação de mais pessoal.

"São necessidades prementes desde o Serviço Nacional de Saúde, ao serviço da Segurança Social. Isso significa que o montante disponível para afetar tem de ser distribuído para que possamos contratar mais pessoas, tendo em vista prestar melhores serviços aos cidadãos", acrescentou.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".