Costa anuncia voo direto da TAP para a Califórnia

Lisboa será "a primeira cidade do sul da Europa a ter voos diretos de e para São Francisco", diz chefe do Governo para seduzir investimento norte-americano

O primeiro-ministro anunciou esta quarta-feira, em São Francisco, que a TAP vai ter uma ligação aérea direta entre Lisboa e a Califórnia a partir do próximo ano.

António Costa falava para uma plateia de investidores naquela cidade da costa oeste dos EUA, tentando seduzir investimento para as empresas portuguesas.

"Também há bom tempo, uma ponte igual à Golden Gate, elétricos e ótimos sítios para surfar", disse António Costa na sede do Sillicon Valley Bank, tentando sublinhar as semelhanças entre Lisboa e a Califórnia.

O primeiro-ministro falava na instituição que junta investidores de capital de risco para uma plateia que, somada, valia muitos milhões.

Num discurso em que tentou seduzir o investimento em startups e não só, António Costa disse que Portugal é a costa oeste da Europa, numa alusão à costa oeste dos Estados Unidos, também pelo ambiente de criação de negócios.

E exemplificou com as startups portuguesas de sucesso, muitas vezes global. Começando por avisar que "às vezes é difícil dizer que são portuguesas, porque todas têm nomes ingleses", enumerou uma série delas: a Farfetch, que atua no negócio da venda online de artigos de luxo, a Outsystems, ou a Codacy (todas no setor dos sistemas de informação), a Aptoid, que é uma loja independente de apps no sistema Android, a Feedzai, empresa de deteção de fraudes eletrónicas no comércio eletrónico, a Talkdesk, que fornece soluções cloud para centros de contacto com clientes, a Visionbox, especializada em reconhecimento eletrónico de identidade, ou a Unbabel, plataforma de tradução que usa inteligência artificial.

E, garantiu António Costa, a partir de 2019 o contacto entre as duas costas oeste (a americana e a portuguesa) vai ser mais fácil: a TAP vai passar a ter voos diretos entre Lisboa e a Califórnia, tornando a capital portuguesa "a primeira cidade do sul da Europa a ter voos diretos de e para São Francisco".

O discurso do chefe de governo, complementado por outro do ministro da Economia, não convenceu completamente Yoshi Tanaka, responsável do Softbank, que tem 200 mil milhões de euros para investir: é mais do que o PIB português.

Tanaka, que já esteve duas vezes em Portugal para participar no Websummit, considerou "interessante" a apresentação portuguesa, mas sublinhou que não conhece "os detalhes do cenário português, as companhias portuguesas". E por isso deixa uma sugestão: "que o governo português faça um roadshow para nos dar a conhecer o que está a acontecer"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?