Costa anuncia reforço de 1,5 milhões de euros de apoios para criação artística

Companhias, associações e atores do setor cultural têm contestado contra o que consideram ser as insuficientes verbas destinadas a apoiar o setor

O primeiro-ministro anunciou esta terça-feira um aumento de 15 para 16,5 milhões de euros da dotação para a criação artística já neste ano, adiantando que em 2019 será superada a meta de investimento prevista no programa do Governo.

A decisão do Governo de reforçar as verbas destinadas à criação artística foi transmitida pelo primeiro-ministro, António Costa, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, durante a cerimónia de apresentação da obra "Anunciação", do pintor quatrocentista Álvaro Pires de Évora.

Nas últimas semanas, companhias, associações e atores do setor cultural têm contestado contra o que consideram ser as insuficientes verbas destinadas a apoiar a criação artística.

Na segunda-feira, um grupo de centenas de atores subscreveu um comunicado "sobre os atrasos na Direção-Geral das Artes", lamentando que em 2017 se tenha passado "a mesma situação de miséria que se instalou no quadriénio anterior" e que nada soubessem sobre 2018 e 2019, exceto que há vencimentos "por agora".

O líder do executivo, no discurso que proferiu, tendo ao seu lado o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, afirmou ter "bem consciência de que a dinâmica da atividade artística em Portugal requer da parte do Estado um esforço suplementar para que não se frustre essa capacidade criativa".

De acordo com António Costa, o último concurso que foi aberto para o apoio às artes "revelou bem essa dinâmica e também a insuficiência do esforço que tinha sido feito de aumentar em 25% a dotação orçamental".

"O programa do Governo tem uma meta de alcançar em 2019 o montante inscrito no Orçamento do Estado para 2009. Ora, esta dinâmica atual permite-nos tomar a decisão de reforçar já este ano a dotação do Ministério da Cultura para apoio à criação artística, subindo de 15 para 16,5 milhões de euros, o que significará um aumento de 37,5%", afirmou o primeiro-ministro.

António Costa frisou depois que este reforço de investimento permitirá ao Governo "superar a meta prevista no programa do Governo no final da legislatura, ultrapassando, ainda que ligeiramente, as verbas transferidas em 2009".

Na semana passada, no parlamento, o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, anunciou que, para "acertar definitivamente os calendários dos próximos bienais", referentes a 2020-2021, os programas a lançar em 2019 sê-lo-ão durante o primeiro semestre, para estarem concluídos no final desse ano.

O secretário de Estado disse, na altura, que, para 2019, "está comprometido um crescimento dos apoios sustentados para 16,5 milhões de euros, mais 10% do que em 2018".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.