Condenados a 24 e 20 anos de prisão homicidas de taxista

Crime ocorreu a 1 de maio de 2017

O tribunal de Santarém condenou hoje os dois homens acusados do homicídio de um taxista do Entroncamento, ocorrido em 1 de maio de 2017, a 24 anos e 20 anos de prisão, considerando a sua conduta "perversamente desmesurada".

A juíza Raquel Rolo considerou, na leitura do acórdão, "perversamente desmesurada" a conduta dos dois arguidos, Américo Lopes, condenado a 24 anos de prisão, e Luís Peixoto, condenado a 20 anos de prisão, para com António Pedro, o taxista que sequestraram, roubaram, mataram e profanaram o cadáver, na sequência de uma série de crimes iniciados uns dias antes.

Américo Lopes, com um longo historial de crimes e cumprimento de penas que a juíza frisou não terem "servido de nada", foi condenado pela prática de nove crimes -- quatro por roubo qualificado, um deles na forma tentada, um por extorsão na forma tentada, dois por sequestro, um por homicídio qualificado (o mais grave, com uma pena de 20 anos de prisão) e um por profanação de cadáver -, que culminaram numa pena única de 24 anos de prisão.

Luís Peixoto, que não tinha antecedentes criminais, foi condenado pela prática de oito crimes -- dois por roubo qualificado, dois por sequestro, um por homicídio qualificado (17 anos), um por profanação de cadáver e dois por condução sem habilitação legal -, num cúmulo de 20 anos de prisão.

Na dúvida, o tribunal absolveu este arguido da prática de um crime de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência.

Os dois foram ainda condenados ao pagamento de uma indemnização civil à viúva e ao filho de António Pedro num total de 121,7 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.