Corpo de Rodrigo vai ser autopsiado quinta-feira de manhã

Os inspetores da PJ "encontraram indícios de crime" e há suspeita de que o menor tenha sido vítima de homicídio

O adolescente hoje encontrado morto num terreno baldio próximo da sua casa, em Portimão, vai ser autopsiado na quinta-feira ao início da manhã, disse à Lusa fonte do Instituto Nacional de Medicina Legal (INML).

Segundo a mesma fonte, a autópsia ao jovem, vítima de homicídio, será realizada no Gabinete Médico-Legal e Forense do Barlavento, situado no complexo do hospital de Portimão, para onde o cadáver foi encaminhado.

A coordenadora daquele gabinete acompanhou as autoridades policiais nas diligências realizadas no local onde o corpo foi encontrado, logo pela manhã, fazendo uma primeira observação ao cadáver, concluiu a mesma fonte.

A mãe do jovem encontrado hoje morto em Portimão foi ouvida durante praticamente todo o dia pelos inspetores da PJ, "sempre na qualidade de testemunha", não sendo, para já, considerada suspeita no processo, disse à Lusa fonte policial.

Durante as diligências já realizadas, os inspetores da PJ "encontraram indícios de crime", acrescentando esta fonte que há suspeita de que "o menor foi vítima de homicídio" e que as investigações vão prosseguir.

O corpo do rapaz, de 15 anos, foi descoberto pouco depois das 09:00 de hoje num terreno baldio entre o sítio das Vendas e o Malheiro, no concelho de Portimão, junto ao hospital da cidade, nas imediações da casa onde vivia.

O rapaz frequentava um curso de Cozinha na cidade vizinha de Lagoa, tendo faltado às aulas três dias antes de a mãe ter comunicado às autoridades o seu desaparecimento, no dia 22 de fevereiro.

O padrasto do menor, de nacionalidade brasileira, viajou para o Brasil no dia do desaparecimento do jovem, de acordo com o jornal Correio da Manhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.