Coronel Vasco Lourenço: "Não aceitamos lições de moral"

O militar de abril, que falou esta noite num jantar comemorativo em Alcântara, deixou implícita uma crítica ao ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a propósito do caso do Colégio Militar

Vasco Lourenço, Presidente da Associação 25 de abril, quis deixar um recado "em nome" dos militares da revolução dos cravos, a propósito de "algumas polémicas artificiais e demagógicas". "Desde 25 de abril de 1976 que a instituição militar de afirmou defensora e cumpridora da Constituição da República Portuguesa que nesse dia entrou em vigor. E, até hoje, tem cumprido exemplarmente esse seu compromisso. Não vemos em Portugal alguém que tenha autoridade moral para, como acontece de vez em quando, nos acusar de querermos sobrepor o poder militar, isto é, as Forças Armadas, ao poder democrático. Fomos e somos cidadãos livres e democratas. Demonstrámo-lo quando foi. Nestes campos não aceitamos não aceitamos lições de ninguém", declarou o coronel.

Vasco Lourenço falava num jantar comemorativo da Associação, organizado com a junta de freguesia de Alcântara, que teve lugar esta noite de domingo naquela localidade e que contou com a presença do presidente da câmara de Lisboa Fernando Medina e o dirigente da junta Davide Amado.

Questionado pelo DN, à margem da cerimónia, sobre se as suas palavras se dirigiam ao ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a propósito da sua intervenção no caso do Colégio Militar, o oficial confirmou. "Isso e não só. Também em relação a muitos comentadores que por aí escreveram, como se nós militares não defendêssemos os valores da Constituição. Como cidadãos temos direito às nossas opiniões. Não é por isso que nos queremos sobrepor ao poder político. Não admito que me acusem duma coisa dessas", sublinhou.

Na sua intervenção, Vasco Lourenço recordou a "radiosa madrugada de abril", mas também "algum sentimento de frustração, de desencanto, de desilusão. Estamos melhor, mas podíamos estar muito melhor". Criticou o anterior governo por ter "delapidado, alienando, vetores estratégicos da economia nacional" e elogiou o "povo português que conseguiu por cobro ao período negro que atravessávamos e que vinha pondo em risco tudo o que cheirava a abril". Hoje, sublinhou, "sentimo-nos mais aliviados. Temos um governo resultante de uma aliança das forças políticas que se reclamam dos valores de abril e um Presidente da República que, pelas suas declarações públicas manifestou formalmente assumir o cumprimento da Constituição como norma da sua ação".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.