Coronel Vasco Lourenço: "Não aceitamos lições de moral"

O militar de abril, que falou esta noite num jantar comemorativo em Alcântara, deixou implícita uma crítica ao ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a propósito do caso do Colégio Militar

Vasco Lourenço, Presidente da Associação 25 de abril, quis deixar um recado "em nome" dos militares da revolução dos cravos, a propósito de "algumas polémicas artificiais e demagógicas". "Desde 25 de abril de 1976 que a instituição militar de afirmou defensora e cumpridora da Constituição da República Portuguesa que nesse dia entrou em vigor. E, até hoje, tem cumprido exemplarmente esse seu compromisso. Não vemos em Portugal alguém que tenha autoridade moral para, como acontece de vez em quando, nos acusar de querermos sobrepor o poder militar, isto é, as Forças Armadas, ao poder democrático. Fomos e somos cidadãos livres e democratas. Demonstrámo-lo quando foi. Nestes campos não aceitamos não aceitamos lições de ninguém", declarou o coronel.

Vasco Lourenço falava num jantar comemorativo da Associação, organizado com a junta de freguesia de Alcântara, que teve lugar esta noite de domingo naquela localidade e que contou com a presença do presidente da câmara de Lisboa Fernando Medina e o dirigente da junta Davide Amado.

Questionado pelo DN, à margem da cerimónia, sobre se as suas palavras se dirigiam ao ministro da Defesa, Azeredo Lopes, a propósito da sua intervenção no caso do Colégio Militar, o oficial confirmou. "Isso e não só. Também em relação a muitos comentadores que por aí escreveram, como se nós militares não defendêssemos os valores da Constituição. Como cidadãos temos direito às nossas opiniões. Não é por isso que nos queremos sobrepor ao poder político. Não admito que me acusem duma coisa dessas", sublinhou.

Na sua intervenção, Vasco Lourenço recordou a "radiosa madrugada de abril", mas também "algum sentimento de frustração, de desencanto, de desilusão. Estamos melhor, mas podíamos estar muito melhor". Criticou o anterior governo por ter "delapidado, alienando, vetores estratégicos da economia nacional" e elogiou o "povo português que conseguiu por cobro ao período negro que atravessávamos e que vinha pondo em risco tudo o que cheirava a abril". Hoje, sublinhou, "sentimo-nos mais aliviados. Temos um governo resultante de uma aliança das forças políticas que se reclamam dos valores de abril e um Presidente da República que, pelas suas declarações públicas manifestou formalmente assumir o cumprimento da Constituição como norma da sua ação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.