Controlo de substância proibida é feito no matadouro, mas por amostragem

A autoridade para a segurança alimentar assegurou hoje que o controlo da presença em carne para consumo de fenilbutazona, anti-inflamatório usado em cavalos, mas proibido na alimentação humana, é feito desde a origem, no matadouro, embora por amostragem.

"Estamos sempre sujeitos a que apareça uma nova não conformidade", admitiu à agência Lusa Jorge Reis, subinspetor-geral da Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) para a área científica.

Na quinta-feira, a Deco, associação de defesa dos consumidores, anunciou, publicamente, ter detetado vestígios do medicamento em amostras de hambúrgueres Auchan e almôndegas Polegar que continham com carne de cavalo.

Os produtos foram retirados do mercado ainda na semana passada, depois da ASAE ter sido, então, alertada pela associação, não obstante as "quantidades muito pequenas" da substância encontradas não atentaram contra a saúde, indicou a fonte da ASAE.

Jorge Reis assegurou que, até ao alerta da Deco, nunca antes foi detetado, em amostras analisadas, o anti-inflamatório na carne para consumo humano.

"O histórico de pesquisa da fenilbutazona em Portugal é bastante positivo, no sentido de não haver amostras não conformes", sustentou, insistindo que "em toda a Europa já foram efetuadas análises para determinar a presença de fenilbutazona em produtos processados e também não havia resultados positivos".

O subinspetor-geral da ASAE garantiu que o controlo desta e de outras substâncias proibidas na alimentação humana é feito desde a origem, no matadouro, muito embora por amostragem, definida pela Comissão Europeia.

"Não é feito na totalidade dos animais, é impossível", vincou, reconhecendo que, no caso em apreço, "a certa altura da cadeia alimentar, alguém introduziu animais que foram tratados com a substância".

Jorge Reis salientou que "não há país nenhum na Europa e no mundo que não obtenha resultados positivos [para substâncias proibidas na alimentação humana], o risco zero não existe".

Em Portugal, adiantou, o controlo de medicamentos como a fenilbutazona é efetuado de acordo com o Plano Nacional de Pesquisa de Resíduos, da responsabilidade da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária.

"O que é importante é que as entidades competentes tenham os seus sistemas de controlo bem montados e a funcionar, de maneira a detetarem tão rápido quanto possível e mitigarem este tipo de problemas", advogou Jorge Reis.

A fonte relembrou que a ASAE pediu informação adicional à Deco para "perceber a metodologia usada" nas suas análises, nomeadamente se o laboratório que as fez "está acreditado", realçando que a autoridade vai continuar a recolher amostras de produtos de carne e analisá-las, para aferir o grau de segurança para o consumidor.

"O nível de empenhamento é total", frisou Jorge Reis, acrescentando, sem apresentar números, que "colheitas de amostras são feitas diariamente", no âmbito do plano de controlo de ADN de cavalo em produtos rotulados como sendo de carne de bovino, mas cujos "resultados têm sido negativos".

Para a Deco, os problemas relacionados com carne de cavalo rotulada como produto de origem bovina podem ser mais abrangentes do que uma mera fraude económica e demonstrar falta de controlo em todo o processo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.