Contratados 3782 professores para o ano inteiro

Foram contratados mais 526 professores do que no ano passado. 26 730 professores foram a concurso.

A partir desta tarde, os professores contratados têm até terça-feira para aceitarem o horário em que ficaram colocados e até quarta-feira para se apresentarem na respetiva escola. Ministério da Educação e Ciência (MEC) contrata este ano 3782 docentes, mais 526 com horários anuais do que no ano passado.

Os que conseguiram colocação são uma pequena parte dos 26 730 candidatos a professores que foram a concurso. É que apesar de existirem 17 850 horários para preencher, tiveram prioridade os 13 130 docentes dos quadros que foram a concurso. Os candidatos podem consultar as listas no site da Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE).

Este ano como houve entradas de contratados nos quadros (concurso externo) e mobilidade interna dos professores do quadro (concurso interno), todos os docentes colocados nos Quadros de Zona Pedagógica (QZP) foram obrigados a concorrer. Daí que tenham existido 11 521 candidatos nesta categoria. Destes 10 330 ficaram colocados. Nos quadros de escola ou agrupamento registaram-se 1979 docentes que não tinham mais de seis horas de aulas atribuídas e por isso tiveram também de ir a concurso.

Entre os contratados, dos 25 296 que se candidataram à contratação inicial ficaram colocados 2833. Aos quais se juntam 979, dos 1434 que tinham pedido a renovação do seu contrato. O que dá um total de 3782 contratados para todo o ano letivo.

Neste momento ficaram com horário-zero 1194 professores dos quadros (tanto de escola como de zona pedagógica), que devem apresentar-se na última escola onde estiveram colocados, a fim de perceber se aí existe algum horário com menos de 8 horas letivas que lhes possa ser atribuído.

Recorde-se que neste concurso apenas estão disponíveis horários anuais com mais de oito horas letivas. Seguindo agora os restantes horários - 2132 - para as reservas de recrutamento, que devem avançar na próxima semana, e para a contratação através da Bolsa de Contratação de Escola (BCE), apenas disponível para escolas com contrato de autonomia e Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP). A maioria dos lugares deve seguir para a BCE uma vez que nesta fase do concurso apenas os professores dos quadros podiam ocupar lugares dos 303 agrupamentos TEIP e com autonomia.

Com a disponibilização esta tarde das listas, 11 dias mais cedo do que no ano passado, o ministério cumpre assim a promessa de antecipar a colocação dos professores, para garantir um arranque das aulas mais tranquilo, depois dos problemas gerados no ano passado pelo erro na BCE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."