Consenso para manter fundos

Ministro Pedro Marques e vice-presidente do PSD Castro Almeida encontram-se hoje para debater os fundos da UE

Governo e PSD arrancam hoje para a primeira reunião sobre os fundos estruturais, um dos temas que Rio e António Costa elegeram como prioritário para os consensos nacionais. O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, reúne-se com o vice-presidente social-democrata Castro Almeida e começarão a discutir a reprogramação do quadro comunitário 2020 e o próximo 2030. Tudo para que Portugal chegue à União Europeia com uma "posição forte", sempre no sentido de manter o máximo de verbas possíveis, num momento em que para o pós Brexit se discutem cortes nos fundos de coesão.

Além de querer debater com os restantes partidos este tema, o governo procura no PSD o apoio para influenciar o documento orientador que em maio a Comissão Europeia irá divulgar sobre o próximo quadro comunitário. Uma fonte governamental lembra ao DN que "PS e PSD integram os dois maiores grupos no Parlamento Europeu (PSE e PPE) e são, por isso, fundamentais para influenciar as decisões na UE".

A mesma fonte diz que estas conversações com os sociais-democratas sobre os fundos são "relativamente simples, já que se trata das grandes linhas gerais sobre a manutenção dos fundos e sobre as quais não há divergências".

Terá sido este um dos assuntos debatidos ontem ao almoço entre o líder do PSD e o Presidente da República. Rui Rio defendeu ainda em Belém que Marcelo Rebelo de Sousa pode ter um "papel muito importante" na aproximação dos partidos.

Horas mais tarde, o Presidente defendia que o tempo de definir convergências "é agora", considerando que será tarde deixar esse processo para 2019, ano de eleições regionais, europeias e legislativas.

"É agora que temos de pensar, de falar, de juntar esforços, de promover convergências, de definir e tentar fazer vingar objetivos. Não é daqui a meses, em pleno ano eleitoral de 2019, quando já for tarde", alertou Marcelo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.