Comunicado do Conselho Superior de Defesa sem referência ao furto de Tancos

Marcelo reuniu-se esta sexta-feira com o Conselho Superior de Defesa Nacional. Tragédia de Pedrógão é referida na declaração

O Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) analisou hoje "recentes dados da situação política atinentes às Forças Armadas" e realçou o papel dos militares no apoio à tragédia dos incêndios de Pedrógão Grande.

"No final, o Conselho teve ainda oportunidade de analisar recentes dados da situação política atinentes às Forças Armadas", referiu o chefe da Casa Militar do Presidente da República, general João Cordeiro, numa declaração aos jornalistas no Palácio de Belém.

A reunião ordinária do CSDN terminou minutos depois das 13:00, ao fim de três horas, e contou com a participação de todos os membros deste órgão de consulta do Presidente da República em matéria de Defesa, à exceção dos presidentes dos governos regionais dos Açores e da Madeira.

Segundo o general João Cordeiro, o CSDN exprimiu um voto de pesar pelas "vítimas da tragédia de Pedrógão Grande" e realçou "a importância do notável papel de apoio prontamente prestado pelas Forças Armadas na sua relevante missão de serviço público".

O comunicado foi lido pelo chefe da Casa Militar do Presidente da República, general João Cordeiro, que assegura transitoriamente as funções de secretário do Conselho Superior de Defesa Nacional, após a exoneração, no passado dia 11, do tenente-general José Antunes Calçada.

Segundo o general João Cordeiro, o Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas manifestou uma palavra "de apreço pelo zelo, competência e dedicação com que no último ano e meio" o general Antunes Calçada desempenhou as funções de secretário do CSDN.

A morte do militar do Exército Sargento-Ajudante Gil Benido num ataque terrorista no Mali foi lembrada pelo CSDN que "exprimiu um voto de pesar" e reafirmou a "indispensabilidade da participação de Portugal através das Forças Nacionais Destacadas na promoção da paz, dos valores democráticos e do Estado de Direito".

Foi feito um "ponto da situação e debate" sobre a situação internacional após a última cimeira da NATO e sobre as missões das forças e elementos nacionais destacados, acrescentou.

Na reunião, foi também apresentado ao Conselho um ponto da situação sobre a "possível utilização pela aeronáutica civil" da base aérea n.º 6, no Montijo, disse.

Nas últimas semanas, o furto de material de guerra em Tancos, a forma como o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, e o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, geriram o caso suscitaram críticas por parte da oposição. Mas não houve referência explícita ao assunto no comunicado do CSDN.

O CDS-PP exigiu a demissão do ministro da Defesa Nacional e do CEME, uma posição que Azeredo Lopes já considerou, em entrevista à RTP, "pouco aceitável" a partir do momento em que, "numa análise de boa-fé", o ministro já garantiu que nada sabia sobre riscos concretos de segurança nos paióis de Tancos.

No Exército, dois tenentes-generais com cargos na estrutura superior do ramo, Antunes Calçada [ex-secretário do CSDN] e Faria Menezes, solicitaram a passagem à reserva, demitindo-se dos comandos do Pessoal e das Forças Terrestres, respetivamente.

Estas duas demissões ocorreram, segundo o Expresso, por "divergências inultrapassáveis" com o Chefe do Estado-Maior do Exército, alegadamente devido à forma como o general Rovisco Duarte decidiu exonerar cinco comandantes no caso do furto de Tancos.

Os cinco coronéis voltaram a ser nomeados pelo CEME na segunda-feira passada e ocupam os mesmos postos.

O primeiro-ministro, António Costa, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, o ministro da Economia, Caldeira Cabral e o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Mourinho Félix, estiveram na reunião.

O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro, o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, da Força Aérea, Manuel Rolo e da Armada, Silva Ribeiro, também compareceram ao CSDN.

Os deputados Marco António Costa (PSD), presidente da comissão parlamentar de Defesa, e os deputados Miranda Calha (PS) a e Costa Neves (PSD) também marcaram presença.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.