Confirma acusação de "cúmplice material de um crime"

A mulher de João Vale e Azevedo confirmou hoje estar acusada de ser "cúmplice material de um crime de burla qualificada", num processo que envolve o marido, mas diz que está de "consciência absolutamente tranquila".

Filipa Azevedo reagia assim à agência Lusa a uma notícia divulgada hoje pelo Correio da Manhã, segundo a qual o antigo presidente do Benfica e a mulher foram acusados pelo Ministério Público (MP) por burlas e falsificações de documentos.

"Confirmo que no passado dia 19 de dezembro fui surpreendida com uma acusação de ser 'cúmplice material de um crime de burla qualificada' num processo que envolve, para além do meu marido João Vale e Azevedo, factos, pessoas e empresas que desconheço em absoluto", afirma Filipa Azevedo numa nota enviada à agência Lusa.

A mulher de Vale e Azevedo lamenta o facto de o jornal dar a acusação como um dado adquirido "sem direito a defesa ou julgamento em local próprio".

"É muito triste viver num país onde não há presunção de inocência, onde os cidadãos são acusados na praça pública para quando eventualmente chegarem a tribunal já a cabeça das pessoas (os juízes são pessoas) está cheia de ideias feitas", sustenta.

Filipa Azevedo diz estar de "consciência absolutamente tranquila", que não fez nada de errado e não praticou nenhum crime, "como aliás resulta da própria acusação que não imputa nenhum facto em concreto".

"Manter-me-ei firme e determinada na defesa da minha pessoa e do meu bom nome", acrescenta na nota.

Segundo o Correio da Manhã, Vale e Azevedo, a mulher e dois amigos franceses utilizaram alegadamente falsas garantias bancárias para obter empréstimos e garantir cauções aos tribunais.

Vale e Azevedo "apoderou-se de mais de mais de um milhão, mas não conseguiu o golpe final porque o BPN e o BCP não caíram no engodo. Junto do primeiro banco queria obter 25 milhões de euros, do segundo 12,5 ME", escreve o CM, adiantando que o irmão, o sobrinho e o cunhado também foram enganados.

Segundo o despacho do Ministério Público citado pelo jornal, o esquema começou a ser montado no início dos anos 2000 e com ele Vale e Azevedo e a mulher conseguiram pedir vários empréstimos com base em garantias que não existiam e mantiveram a vida de luxo que lhes permitiu até viver vários anos em Londres, capital inglesa.

O Ministério Público acrescenta que no período em que Vale e Azevedo cumpriu pena em Portugal, cabia à mulher continuar os seus negócios, sendo ela que fazia os contactos com os franceses e com uma empresa, investigada noutro inquérito autónomo, que também pactuava no esquema das falsas garantias.

Vale e Azevedo foi acusado pelo MP de oito crimes por burla qualificada e a mulher por coautoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.