Confirma acusação de "cúmplice material de um crime"

A mulher de João Vale e Azevedo confirmou hoje estar acusada de ser "cúmplice material de um crime de burla qualificada", num processo que envolve o marido, mas diz que está de "consciência absolutamente tranquila".

Filipa Azevedo reagia assim à agência Lusa a uma notícia divulgada hoje pelo Correio da Manhã, segundo a qual o antigo presidente do Benfica e a mulher foram acusados pelo Ministério Público (MP) por burlas e falsificações de documentos.

"Confirmo que no passado dia 19 de dezembro fui surpreendida com uma acusação de ser 'cúmplice material de um crime de burla qualificada' num processo que envolve, para além do meu marido João Vale e Azevedo, factos, pessoas e empresas que desconheço em absoluto", afirma Filipa Azevedo numa nota enviada à agência Lusa.

A mulher de Vale e Azevedo lamenta o facto de o jornal dar a acusação como um dado adquirido "sem direito a defesa ou julgamento em local próprio".

"É muito triste viver num país onde não há presunção de inocência, onde os cidadãos são acusados na praça pública para quando eventualmente chegarem a tribunal já a cabeça das pessoas (os juízes são pessoas) está cheia de ideias feitas", sustenta.

Filipa Azevedo diz estar de "consciência absolutamente tranquila", que não fez nada de errado e não praticou nenhum crime, "como aliás resulta da própria acusação que não imputa nenhum facto em concreto".

"Manter-me-ei firme e determinada na defesa da minha pessoa e do meu bom nome", acrescenta na nota.

Segundo o Correio da Manhã, Vale e Azevedo, a mulher e dois amigos franceses utilizaram alegadamente falsas garantias bancárias para obter empréstimos e garantir cauções aos tribunais.

Vale e Azevedo "apoderou-se de mais de mais de um milhão, mas não conseguiu o golpe final porque o BPN e o BCP não caíram no engodo. Junto do primeiro banco queria obter 25 milhões de euros, do segundo 12,5 ME", escreve o CM, adiantando que o irmão, o sobrinho e o cunhado também foram enganados.

Segundo o despacho do Ministério Público citado pelo jornal, o esquema começou a ser montado no início dos anos 2000 e com ele Vale e Azevedo e a mulher conseguiram pedir vários empréstimos com base em garantias que não existiam e mantiveram a vida de luxo que lhes permitiu até viver vários anos em Londres, capital inglesa.

O Ministério Público acrescenta que no período em que Vale e Azevedo cumpriu pena em Portugal, cabia à mulher continuar os seus negócios, sendo ela que fazia os contactos com os franceses e com uma empresa, investigada noutro inquérito autónomo, que também pactuava no esquema das falsas garantias.

Vale e Azevedo foi acusado pelo MP de oito crimes por burla qualificada e a mulher por coautoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.