Confirma acusação de "cúmplice material de um crime"

A mulher de João Vale e Azevedo confirmou hoje estar acusada de ser "cúmplice material de um crime de burla qualificada", num processo que envolve o marido, mas diz que está de "consciência absolutamente tranquila".

Filipa Azevedo reagia assim à agência Lusa a uma notícia divulgada hoje pelo Correio da Manhã, segundo a qual o antigo presidente do Benfica e a mulher foram acusados pelo Ministério Público (MP) por burlas e falsificações de documentos.

"Confirmo que no passado dia 19 de dezembro fui surpreendida com uma acusação de ser 'cúmplice material de um crime de burla qualificada' num processo que envolve, para além do meu marido João Vale e Azevedo, factos, pessoas e empresas que desconheço em absoluto", afirma Filipa Azevedo numa nota enviada à agência Lusa.

A mulher de Vale e Azevedo lamenta o facto de o jornal dar a acusação como um dado adquirido "sem direito a defesa ou julgamento em local próprio".

"É muito triste viver num país onde não há presunção de inocência, onde os cidadãos são acusados na praça pública para quando eventualmente chegarem a tribunal já a cabeça das pessoas (os juízes são pessoas) está cheia de ideias feitas", sustenta.

Filipa Azevedo diz estar de "consciência absolutamente tranquila", que não fez nada de errado e não praticou nenhum crime, "como aliás resulta da própria acusação que não imputa nenhum facto em concreto".

"Manter-me-ei firme e determinada na defesa da minha pessoa e do meu bom nome", acrescenta na nota.

Segundo o Correio da Manhã, Vale e Azevedo, a mulher e dois amigos franceses utilizaram alegadamente falsas garantias bancárias para obter empréstimos e garantir cauções aos tribunais.

Vale e Azevedo "apoderou-se de mais de mais de um milhão, mas não conseguiu o golpe final porque o BPN e o BCP não caíram no engodo. Junto do primeiro banco queria obter 25 milhões de euros, do segundo 12,5 ME", escreve o CM, adiantando que o irmão, o sobrinho e o cunhado também foram enganados.

Segundo o despacho do Ministério Público citado pelo jornal, o esquema começou a ser montado no início dos anos 2000 e com ele Vale e Azevedo e a mulher conseguiram pedir vários empréstimos com base em garantias que não existiam e mantiveram a vida de luxo que lhes permitiu até viver vários anos em Londres, capital inglesa.

O Ministério Público acrescenta que no período em que Vale e Azevedo cumpriu pena em Portugal, cabia à mulher continuar os seus negócios, sendo ela que fazia os contactos com os franceses e com uma empresa, investigada noutro inquérito autónomo, que também pactuava no esquema das falsas garantias.

Vale e Azevedo foi acusado pelo MP de oito crimes por burla qualificada e a mulher por coautoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.