Condenado por homicídio sai em liberdade devido à demora da justiça

Condenado a 20 anos de prisão, estava em preventiva a aguardar repetição parcial do julgamento. Prazo legal para estar detido preventivamente esgotou

Um homem condenado a 20 anos de prisão em abril de 2015, acusado pelo homicídio da irmã e por ter ferido a mãe, será libertado esta sexta-feira por ter expirado o prazo da prisão preventiva. Tudo porque o primeiro julgamento terá de ser parcialmente repetido, devido a recurso apresentado pela defesa, e ainda nem sequer tem data marcada. Neste intervalo, esgotaram-se os dois anos durante os quais o agressor podia ficar detido preventivamente.

Segundo o Jornal de Notícias, que avança a notícia, a defesa de Fernando Miranda, de 66 anos, recorreu da condenação decidida pelo Tribunal de Vila Real, que se declarou incompetente para repetir o julgamento, uma vez que tem apenas três juízes que julgaram o primeiro processo e, portanto, não podem voltar a fazê-lo. Uma vez que o Tribunal da Relação de Guimarães encontrou, segundo o JN, contradições relativas às lesões psicológicas e físicas infligidas pelo agressor à mãe, foi determinado, de acordo com a advogada das vítimas, Isabel Rodrigues, "o reenvio parcial do processo para novo julgamento". Isabel Rodrigues especifica que este desenvolvimento tem a ver com a indemnização que o arguido foi condenado a pagar à mãe e não com a pena, que terá de ser cumprida, mas a advogada de defesa tem opinião diferente. Guilhermina Costa considera que será dada nova sentença com base em factos que foram alterados pela Relação e que tinham sido dado como provados pela primeira instância.

O novo julgamento ainda não tem data marcada pelo que Fernando Miranda, que estava em prisão preventiva desde o dia a seguir ao crime - entregou-se às autoridades - terá de ser libertado esta sexta-feira, dia em que termina o prazo legal pelo qual pode ficar detido preventivamente. Ficará sujeito a apresentações no posto da GNR da sua área de residência, duas vezes por semana, e está proibido de se deslocar a Meixedo, Montalegre, onde cometeu o crime e ainda vive a mãe, que agrediu, assim como a família da irmã que assassinou. A advogada das vítimas vai propor alteração de medida de coação para prisão domiciliária ou apresentações às autoridades duas vezes por dia.

Na origem do crime terá estado uma disputa familiar, por causa de um terreno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.