Concessão do Oceanário deverá ficar concluída na próxima semana

Ministro do Ambiente diz que o Oceanário concessionado a privados "fará mais" do que faz, ganhando "competências importantes na inovação".

O ministro do ambiente afirmou que há "boas razões para acreditar que na próxima semana o processo [de concessão do Oceanário] possa estar concluído". Jorge Moreira da Silva considera que o Oceanário de Lisboa "fará mais" do que faz hoje, ganhando "competências importantes na inovação" e tornando-se "um pilar do desenvolvimento do conhecimento científico".

O Oceanário poderá ser concessionado à sociedade Francisco Manuel dos Santos, accionista maioritário da Jerónimo Martins, um acordo que envolverá 24 milhões de euros e que terá duração de três décadas.

A decisão de remeter para concurso a concessão do Oceanário de Lisboa é justificada pelo Governo com a intenção de aliviar a dívida decorrente do Parque Expo (200 milhões), que explica através do ministro do Ambiente "era importante assegurar que os contribuintes não eram prejudicados no processo de liquidação", sem que isso representasse "uma diminuição do serviço público, pelo contrário, corresponderia a uma melhoria do serviço público".

Já o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, ressalvou que "o Oceanário é e continuará a ser património do Estado, o processo de privatização que está em curso é da entidade concessionária da gestão do Oceanário", suportando assim o apelo do ministério do Ambiente: "Alguma prudência sobre uma matéria que não foi ainda concluída e relativamente à qual os valores que tenho visto divulgados não só não são consistentes entre as várias notícias como não correspondem obviamente à solução final"

No ano passado, o Oceanário contou com cerca de um milhão de visitantes, gerou 1,5 milhões de euros em lucros e o Governo estimava que as receitas duma concessão alcançassem os 40 milhões de euros.