Comportamento de condutor na origem do acidente que matou 12 portugueses

Relatório atribui ao comportamento do condutor Ricardo Pinheiro, na altura com 19 anos, a causa direta do acidente mortal em Moulins, França, em 2016

O comportamento "inadequado" e "perigoso" do condutor é a causa do acidente que matou 12 portugueses emigrados na Suíça, em Moulins, França. É esta a conclusão do relatório do Gabinete de Investigação de Acidentes de Transportes Terrestres francês.

O acidente mortal aconteceu no dia 24 de março, de 2016.

De acordo com o documento, o condutor Ricardo Pinheiro, na altura com 19 anos, não tinha visibilidade suficiente e, mesmo assim, "fez uma ultrapassagem em velocidade excessiva (a 105 km/h quando o limite era de 90 km/h)", num veículo "em estado deplorável".

As conclusões do relatório revelam que os pneus da carrinha Mercedes Sprint, bem como os do reboque, "tinham mais de sete anos e que os travões estavam desgastados em sobrecarga, ao transportar doze pessoas em vez de nove", refere a Lusa.

O Gabinete de Investigação de Acidentes de Transportes Terrestres francês refere também no documento que o condutor obteve a licença para conduzir um veículo com atrelado e peso superior a 750 quilos apenas dois dias antes do fatídico acidente, apesar de ter carta de condução desde 2014.

A carrinha colidiu frontalmente com um camião. Os 12 passageiros morreram

Ricardo Pinheiro afirmou na altura que conduzia regularmente a carrinha entre Portugal e a Suíça, por conta do tio Arménio Pinto, proprietário da carrinha.

Recorde-se que a carrinha partiu de Romont, na Suíça, por volta das 20 horas e devia ter chegado a Portugal perto do meio-dia a tempo dos emigrantes portugueses participarem nas celebrações da Sexta-feira Santa. O relatório conta que Ricardo Pinheiro "aproveitou a ultrapassagem de um autocarro, que seguia à frente, para iniciar a manobra que lhe tapou a visibilidade". A carrinha colidiu frontalmente com um camião. Os 12 passageiros morreram.

Os emigrantes portugueses eram de Oliveira de Azeméis, Trancoso e Cinfães do Douro.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.