Bombeiros de Vila do Conde "sem pessoal" para prestar socorro

60 elementos pediram para passar à inatividade

Os Bombeiros Voluntários de Vila do Conde estão sem capacidade de resposta para prestar socorro à população após o pedido de passagem à inatividade de 60 bombeiros, alertou hoje o comandante da corporação.

Em declarações à Agência Lusa, Joaquim Moreira lembrou que na sexta-feira cerca de 60 bombeiros voluntários "apresentaram um pedido de inatividade do quadro" deixando o contingente muito deficitário.

"Não tenho pessoal para responder às necessidades. Desde ontem [sexta-feira] que já não é possível fazer alguns serviços. Se já é difícil numa situação normal, imagine agora com bem menos bombeiros", desabafou o comandante vila-condense.

Questionado se com esta incapacidade de resposta segurança da população local está posta em causa, Joaquim Moreira reconhece que "o tempo de resposta não será o ideal".

"A Autoridade de Proteção Civil está dentro do problema e em função da localização vai fazer deslocar outros meios mais próximos. A ajuda não está em causa, porque haverá sempre outros meios, mas a resposta imediata é que poderá falhar", explicou.

O comandante dos bombeiros vila-condenses não confirmou que haja uma paragem total, dizendo que é possível "acionar alguns meios," mas vincou que "não há gente suficiente para responder a uma situação grave".

José Pedrosa, um dos 60 bombeiros que na sexta-feira assinaram um pedido de inatividade do quadro com efeitos imediatos, garantiu que a situação só inverterá "quando a presidente da direção se demitir".

"Tudo o que vier a acontecer é da responsabilidade da direção", apontou o bombeiro.

Os voluntários de Vila do Conde têm apontado nos últimos meses "um clima de crispação" na corporação, que segundo eles "vem desde que os atuais órgãos sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila do Conde tomaram posse".

Na semana passada, terão entregue um pedido de passagem ao quadro de reserva, que foi recusado, levando a que agora solicitassem esta figura da "inatividade do quadro", na qual continuam como bombeiros, mas não prestam serviços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?