Comandante diz que foram feitos os procedimentos necessários na ponte 25 de Abril

Um embrulho de plástico levou ao encerramento da circulação de carros e de comboios durante duas horas, na segunda-feira.

O comandante da Unidade Especial de Polícia (UEP) da PSP assegurou hoje que foram realizados na segunda-feira, na ponte 25 de Abril, em Lisboa, todos os procedimentos necessários em casos suspeitos de ameaça de bomba.

A ponte 25 de abril esteve encerrada ao trânsito rodoviário e ferroviário cerca de duas horas, na segunda-feira, por causa de um embrulho, que levantou suspeitas de ser uma bomba.

Em declarações aos jornalistas à margem da cerimónia comemorativa do 7.º aniversário da UEP, o superintendente Constantino Ramos garantiu que "foram executados os procedimentos para este tipo de matérias".

"A partir do momento em que temos ou detetamos uma ameaça, aquilo que fazemos é recorrer aos 'standards' que estão instituídos e até termos a certeza absoluta de que ninguém corre perigo mantermos o cidadão seguro e podermos ter a certeza absoluta de que quando ele voltar a passar naquele ponto, naquela situação, não ocorrerá nada de mal. Foi isso que se fez", adiantou o comandante da UEP.

Constantino Ramos disse ainda que a UEP mobilizou para a ponte 25 de Abril várias subunidades.

O porta-voz do Comando Metropolitano de Lisboa, comissário Rui Costa, disse à agência Lusa que a PSP fez de imediato as diligências necessárias para identificar a origem do embrulho que provocou o alerta de ameaça de bomba, tendo depois encaminhado o caso para a Polícia Judiciária.

O trânsito automóvel e a circulação ferroviária na Ponte 25 de Abril, que atravessa o Tejo, ligando Lisboa e Almada, estiveram interrompidos durante cerca de duas horas, na segunda-feira, devido à presença de um objeto suspeito junto a um dos pilares

Segundo a PSP, o embrulho, que levantou a suspeita, tinha cerca de 50 centímetros de diâmetro e estava envolto em plástico e fita isoladora.

A denúncia foi feita por um condutor, que alertou a Polícia de que teria visto alguém a largar o embrulho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.