Pinto Monteiro: "Não há segredo de justiça em Portugal"

Ex-procurador-geral da República diz que com telefones diretos entre magistrados, polícias e jornalistas não há segredo de justiça. Rui Rio ligava a protestar com fugas de informação

O ex-procurador-geral da República Pinto Monteiro diz que enquanto houver telefones diretos entre magistrados, polícias e jornalistas não há segredo de justiça e queixa-se de ter sido boicotado no seu mandato, até por quem investigava o caso Freeport.

Numa entrevista ao jornal Público e à Rádio Renascença, Pinto Monteiro defende que "não há segredo de justiça em Portugal" e que as duas soluções possíveis são ou acabar com ele ou ter meios de controlo efetivo, reconhecendo que quem o viola é quem conhece o processo.

"Só pode violar o segredo de justiça quem conhece e quem conhece é o Ministério Público, os advogados, a polícia, os juízes também, funcionários. Quando se pergunta 'quem viola o segredo de justiça?', deviam-se levantar todos", afirma.

O ex-procurador-geral diz que o atual líder do PSD lhe telefonava a protestar contra as fugas de informação e que era um homem muito preocupado com a relação que dizia haver entre o Ministério Público e os órgãos de comunicação social.

Sobre a necessidade de um pacto na Justiça, de que também falou Rui Rio quando assumiu a liderança do PSD, Pinto Monteiro responde: "Há pactos e pactos. Já houve pactos da Justiça, foram um fiasco, como sabe. Este pacto da Justiça tem uma vantagem: foi discutido entre os intervenientes." No entanto, diz que no seio das discussões sobre o pacto da Justiça deveria haver representantes dos cidadãos, alegando que "o cidadão é quem sofre mais".

Critica a delação premiada, que classifica como "monstruosidade jurídica", e aconselha os juristas a lerem sobre esta matéria um artigo de Joaquim Gomes Canotilho, dizendo que é inconstitucional.

Sobre as investigações ao ex-primeiro-ministro José Sócrates, diz que quando chegou ao cargo a investigação do caso Freeport estava parada, que foram dados vários prazos e que ficou indignado quando percebeu que os procuradores se queixaram de não ter tido tempo para fazer todas as perguntas que precisavam.

"Eu fiquei indignado porque se eles entendiam aquilo [que precisavam de fazer aquelas perguntas] tiveram anos para as fazer", afirma, insistindo: "Investigaram o tempo que quiseram. Não foi o processo mais caro da justiça portuguesa mas foi dos mais caros".

Diz que foi boicotado sobretudo pelo sindicato dos magistrados e que há uma limitação nos poderes do procurador-geral porque o Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) é composto maioritariamente pelo sindicato. "Agora que se discute a reforma da Justiça, há duas coisas fundamentais: uma é que os sindicatos não podem substituir as instituições, os órgãos não podem ser controlados pelos sindicatos. O CSMP não pode ser controlado pelo sindicato e no meu tempo era - agora não sei."

"Ouvi a senhora procuradora dizer que o prazo era seis anos"

A propósito da duração dos mandatos do procurador-geral, Pinto Monteiro reconhece que a lei, como está, permite dois entendimentos e que quem vai resolver o assunto terá de ser o Governo e o Presidente da República. "A única coisa que eu disse é que quando fui convidado ninguém me falou da prorrogação do prazo, não me passou pela cabeça que pudesse ser. A senhora procuradora-geral, ouvia-a dizer duas vezes que o prazo era seis anos. Provavelmente aconteceu-lhe o mesmo que a mim, se calhar também não se deu ao trabalho de ler aquilo".

Sobre o facto de procuradores saírem de funções para ocuparem cargos em instituições privadas como aconteceu com o procurador Orlando Figueira, que está a ser julgado no âmbito da Operação Fizz, Pinto Monteiro diz que propôs ao CSMP que sempre que um magistrado ocupasse um lugar sensível, se saísse voluntariamente, devia estar dois anos sem ocupar um lugar na vida privada. "Se se tivesse seguido isso não havia o sarilho que há, com o dr. Orlando Figueira (...). Mas o CSMP reprovou esta minha ideia! Chumbaram! E chumbaram porque não interessava ao sindicato, corporativamente, uma coisa destas", acrescenta.

Sobre o facto de Angola defender que o processo da Operação Fizz relativo ao ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente devia ser julgado em Angola, alegando a convenção da CPLP que regula casos judiciais entre os dois países, Pinto Monteiro afirma: "É claro que, se cometeram um crime... Se a lei permite que ele seja julgado em Angola, tem de haver fortes razões para não ser". "Mas eu não estou a par do processo", ressalva.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.