Deputados vão ter código de conduta para as faltas

Comissão para a Transparência prepara um "guia" para explicar situações que cabem dentro de cada conceito

O Código de Conduta dos Deputados, que está a ser elaborado na comissão parlamentar sobre a Transparência, vai clarificar as situações em que os deputados podem alegar "trabalho político" ou motivo de "força maior" para justificar as ausências ao plenário e às comissões. Não se trata de uma alteração legal - a generalidade dos partidos diz-se, aliás, contrária a mudanças na lei nesta matéria -, mas de uma explicitação do que cabe dentro daquelas justificações.

Pedro Delgado Alves, vice-presidente da bancada socialista e que é também o coordenador do partido na Comissão para o Reforço da Transparência no Exercício de Funções Públicas, explica que o Código de Conduta virá complementar o Estatuto dos Deputados. Além de regular questões como as prendas que os parlamentares podem aceitar, o Código servirá, no caso da justificação das faltas, para "densificar os conceitos e oferecer um guia mais detalhado de quais eventos e circunstâncias é que se enquadram em cada tipo de causa de justificação de faltas, de forma a evitar dúvidas e uniformizar as práticas". Uma espécie de guia didático que incidirá também, por exemplo, sobre a forma de preencher o registo de interesses ou sobre as deslocações dos deputados.

A polémica em torno das justificações dadas pelos deputados para justificar faltas é uma história que leva anos. Um dos principais episódios ocorreu em maio de 2003 quando trinta deputados faltaram à sessão plenária para assistir à final da Taça UEFA, em Sevilha, entre o FC Porto e o Celtic. Justificação dada pela maioria: "trabalho político". Mota Amaral, à data presidente da Assembleia da República, recusou as justificações.

Recentemente, a questão voltou a levantar-se com a ida de deputados do PSD ao Europeu, para ver jogos da seleção nacional. Luís Montenegro, então líder parlamentar da bancada, justificou a falta com "trabalho político", Hugo Soares, o atual líder do grupo parlamentar, invocou "motivo de força maior". Noutro caso revelado há poucas semanas pelo Observador, outro social-democrata, Sérgio Azevedo, justificou uma viagem a título pessoal à China com motivo de "força maior".

Partidos contra alterações à lei

O DN questionou os partidos sobre se se justifica uma alteração ao regime legal das faltas ou, pelo menos, uma explicitação na lei dos conceitos de "trabalho político" e "força maior". O PSD não respondeu. O BE respondeu apenas que "sempre que algum deputado ou deputada do Bloco dá como justificação trabalho político é porque o esteve a fazer". Já PS, CDS e PCP são unânimes a defender que não se justifica mexer na lei em função de casos que possam existir de utilização abusiva das justificações admitidas no Estatuto dos Deputados.

"O elenco das causas de justificação de faltas está estabilizado e é bastante claro e completo", argumenta Delgado Alves. "Não há razões para, a este propósito, se proceder a uma alteração do Estatuto dos Deputados", refere o PCP. Tal como o CDS: "Não se justifica. Há regras parlamentares e internas, de cada grupo, para validar as ausências ao plenário, que não são necessariamente faltas", diz o líder parlamentar, Nuno Magalhães.

E a lei deve discriminar, em termos concretos, o que é "trabalho político" e motivo de "força maior"?Pedro Delgado Alves argumenta que este último é um conceito geral de direito "que não deixa muita margem interpretativa": é um "fator externo e independente da vontade do próprio que impede o cumprimento de uma obrigação, neste caso, de uma presença em plenário". Para o PCP, as "faltas justificadas por razão "de motivo de força maior" são já hoje objeto de escrutínio pela mesa da Assembleia da República, entidade a quem está entregue a competência para o fazer".

Mas a própria AR tem uma visão diferente. O DN questionou a secretaria-geral sobre que situações cabem dentro do motivo de "força maior". Resposta: "O entendimento do que constitui, ou não, força maior cabe ao deputado que apresenta a justificação de falta."

Já quanto ao trabalho político, PS e PCP consideram que o conceito é claro nos seus contornos. Nuno Magalhães lembra que estas justificações têm de passar pelo crivo dos líderes parlamentares: "Da minha parte, obviamente, tomo conhecimento e faço fé de todas as ausências do plenário de deputados do CDS."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.