Cirurgião que fez primeiro transplante cardíaco recebeu ameaças de morte

Equipa do cirurgião Queiroz e Melo foi responsável pelo primeiro transplante de coração em Portugal, há 30 anos

O primeiro transplante cardíaco em Portugal, há 30 anos, colocou no estrelato a equipa do cirurgião Queiroz e Melo, mas também lhe valeu ameaças de morte, numa altura em que a colheita de órgãos ainda era controversa.

"A comunidade médica, quase toda, apoiou maciçamente e ficou entusiasmada. A sociedade civil também, mas nem todos. Recebi ameaças de morte em casa, cartas anónimas. Durante uns 15 dias, três semanas olhava para um lado e para o outro quando saia de minha casa para ver se havia algum suspeito", disse o cirurgião à agência Lusa.

A propósito das três décadas da cirurgia, Queiroz e Melo, que se encontra aposentado e já não opera, recordou no Hospital de Santa Cruz, em Lisboa, os dias fantásticos que envolveram o transplante, que aconteceu nesta unidade de saúde a 18 de fevereiro de 1986, tinha ele 41 anos.

"Foi algo que no nosso país ainda é raro e que na altura era raríssimo: perceber que o progresso em medicina se faz com trabalho em equipa, não é "one man show`, é um trabalho de grupo e não de grupos na mesma especialidade".

Esta equipa encontrava-se no estado da arte da altura e deu aquilo que era "um passo natural no tratamento de doentes que então, como agora, são os mesmos -- com insuficiência cardíaca e que não têm outro tipo de tratamento".

A cirurgia foi realizada sob secretismo, de tal maneira que a equipa definiu um código para a identificar: Teresa Costa, nome que começa com as iniciais das palavras transplantação cardíaca.

A doente Eva Pinto foi a escolhida e recebeu o coração de um dador de Coimbra, cujo órgão chegou de helicóptero. O sucesso da operação, que durou quatro horas, foi noticiado no telejornal da meia-noite e foi dessa forma que a tutela -- a ministra da Saúde era Leonor Beleza -- tomou conhecimento do feito.

Deslumbrado com o pioneirismo da cirurgia estava José Neves, atual diretor do serviço de cirurgia cardiotorácica do Santa Cruz e, em 1986, um interno de 32 anos que teve "a sorte de assistir e entrar como terceiro ou quarto ajudante na primeira cirurgia de transplantação no país".

"Era o top da cirurgia cardíaca. Toda a gente queria transplantar. Eram os deuses. O cirurgião que transplantasse tinha a vida nas mãos", disse à Lusa.

Desse dia, José Neves recorda o "deslumbramento", mas também o facto de "tudo a acontecer ao mesmo tempo" numa "sala cheia de gente".

José Neves fez o seu primeiro transplante cardíaco cinco ou seis anos depois e ainda hoje reconhece que este é "um ponto alto na carreira de um cirurgião".

Para Maria José Rebocho, coordenadora de transplantação cardíaca e que foi responsável pelos doentes desde o início do projeto, recorda que foi contagiada pelo "entusiasmo" de Queiroz e Melo, que a dada altura terá afirmado: "Quem não vem comigo fica para trás". E ela foi. Tinha 39 anos.

A médica sublinha que todo o hospital, e principalmente os doentes, beneficiou com a introdução desta técnica, pois os exames e cuidados que exigia passaram a ser aplicados a todos.

"Se o tabuleiro da comida vai tapado para os doentes transplantados, então passa a ir assim para os outros doentes também. Tudo modifica e melhora, como ao nível do controlo da infeção".

Do dia da operação, Maria José Rebocho recorda como ponto alto o "momento emocionante" em que o coração é colocado no recetor e começa a bater de novo.

Em relação aos doentes -- que durante muito tempo continuam a ser seguidos no hospital e mantêm, por isso, uma ligação longa e forte com a equipa que os operou -- a médica refere que, tal como há 30 anos, acolhem bem a hipótese de serem transplantados.

"Eles querem [ser transplantados] porque percebem que é o fim da vida", afirmou.

Queiroz e Melo tem a mesma opinião: " Um doente que precisa de ser transplantado sente-o e não é preciso convencê-lo".

"As pessoas sabem que vão morrer, sentem que vão morrer. Têm uma qualidade de vida péssima e, quando lhes é dada oportunidade, não hesitam", adiantou.

O cirurgião recorda que "a doente em causa era uma senhora de fé, de grande misticismo, acreditava muito na vida. Esse foi um não problema".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.