Cinco padres entre os mais de dez mil enganados em falso peditório

Um casal e um funcionário público reformado de Famalicão estão acusados de burla qualificada e falsificação

Um casal e um funcionário público reformado, todos de Famalicão, conseguiram extorquir mais de 300 mil euros a cerca de dez mil vítimas, recorrendo a um esquema de angariação de fundos supostamente destinados a apoiar crianças doentes. Estão acusados pelo Ministério Público dos crimes de burla qualificada e falsificação, e o casal está em prisão preventiva, enquanto o cúmplice permanece em liberdade, obrigado a apresentações periódicas, revela hoje o JN.

Entre as pessoas burladas, há cinco padres da região Norte do país. Um deles, contactado pelo JN, admitiu que não sabia sequer ter sido enganado. " Telefonavam-me e depois era sempre o mesmo homem que vinha recolher o dinheiro", contou ao JN sob anonimato.

Tudo começou em 2009, quando os agora acusados iniciaram a operação em nome de uma entidade que criaram para o efeito: a Glória sem Barreiras, Associação de Ação Social, supostamente destinada a apoiar crianças doentes mas que era do que apenas uma fachada.
As vítimas eram contactadas pelo telefone, acediam a fazer o donativo e recebiam depois a visita de um dos homens para a recolha do dinheiro.

A PSP de Famalicão desmontou o esquema em junho do ano passado.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.