Cinco arguidos da Operação Lex presentes a juiz no Supremo

ATUALIZADA - Interrogatório prossegue amanhã

Os cinco arguidos da Operação Lex que estão detidos entraram ao fim da tarde desta quarta-feira no Supremo Tribunal de Justiça, em Lisboa, para serem ouvidos por um juiz. Foram identificados, ficando a continuação do interrogatório marcada para amanhã, quinta-feira, a partir das 10:00.

Por não estarem em liberdade, serão os primeiros a serem presentes a um magistrado para ouvirem as medidas de coação a aplicar.

Este processo já tem, ao todo, 12 arguidos, contando-se entre eles o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira (como confirmado esta tarde pela Procuradoria Geral da República), o vice-presidente do clube, Fernando Tavares, e os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante.

A Operação Lex está a investigar suspeitas de corrupção, recebimento de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.