Cidades do Centro e Sul sem recolha de lixo

As cidades do Seixal, Moita, Amadora e Coimbra ficaram hoje sem recolha de lixo devido à greve, que contabilizou uma adesão de 100 por cento

"A greve nacional da Administração Local deixou ao início da noite sem recolha de lixo as principais cidades onde este serviço se realiza normalmente aos domingos, indiciando uma forte adesão na maioria dos serviços camarários, empresas municipais, bombeiros profissionais e outros serviços ligados a este sector", refere o STAL num comunicado.

A organização sindical agendou para a noite de domingo uma greve nacional, destinada a mostrar publicamente o desagrado dos trabalhadores relativamente "às ingerências do governo na autonomia do Poder Local" e a reivindicação de "salários justos".

Relativamente ao primeiro ponto, o STAL acusa o Governo de exercer "chantagem" junto das autarquias para evitar que estas aprovem medidas de valorização dos trabalhadores camarários, além das "tentativas de condicionamento das negociações" em torno da contratação colectiva.

Apesar da generalidade dos serviços de recolha de resíduos sólidos não se realizar nas noites de domingo, por constituir habitualmente a folga dos trabalhadores do sector, o sindicato reivindica uma adesão de "100 por cento ou valores aproximados" no Seixal, Moita, Amadora, Coimbra.

Por outro lado, nos serviços de higiene urbana de Setúbal o valor situa-se nos 63 por cento, enquanto que em Loures é contabilizado cerca de 50 por cento de adesão.

"Já no sector dos transportes, os serviços de manutenção dos Transportes Urbanos de Braga estão totalmente paralisados", sublinha o comunicado.

Ao longo do dia de hoje deverão ainda ser realizados outros protestos, nomeadamente paralisações nos transportes urbanos municipais e escolares, assim como na generalidade dos serviços de higiene urbana.

"Também outros sectores como bombeiros profissionais, associações humanitárias de bombeiros voluntários e empresas municipais serão afetados por esta greve", conclui o comunicado.

A greve organizada pelo STAL deverá prolongar-se durante a noite de hoje e madrugada de terça feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.