Cidade Velha aguarda Marcelo, o "presidente do povo"

Depois de ontem ter passado o dia na Ilha do Fogo, o presidente da República visita a Cidade Velha, na Ilha de Santiago. E há quem queira convidá-lo para dançar ao som dos batuques.

"UNESCO reconhece a Cidade Velha como Património da Humanidade e os alunos estão cheios de orgulho na cidade linda". A frase cantada por um grupo de crianças, ali mesmo na praça principal, junto do Pelourinho, mostra a felicidade - e o tal orgulho - de quem habita aquela que já foi uma das cidades de referência de Cabo Verde.

Incluída na lista do Património Mundial da Humanidade desde 2009, diz a história que a Cidade Velha, que em tempos era apenas designada de Ribeira Grande, é um verdadeiro testemunho da presença colonial europeia, e, em particular portuguesa, em África, há mais de 500 anos.

Um cidade repleta de história e de ligações a Portugal, que recebe esta segunda-feira a visita de Marcelo Rebelo de Sousa, no segundo dia de três dias da visita de Estado ao arquipélago cabo-verdiano.

Na praça principal junto do Pelourinho, Mami, de 50 anos, é uma das vendedoras mais antigas no local. A visita do presidente da República, conta-nos, soube-a, através da Câmara Municipal. Sobre o chefe de Estado, admite, pouco sabe, mas não poupa nos elogios, a este e aos outros portugueses: "Gosto muito dos portugueses, os portugueses mostram um coração grande para toda a África", diz.

Na banca ao lado, Arlete, de 56 anos, também pouco sabe acerca de Marcelo Rebelo de Sousa, mas ainda se lembra de outras visitas de nomes importantes da política nacional: "Cavaco Silva e um senhor que se chamava Ramalho Eanes".

Já a filha, Neuza, também ela vendedora, diz-se ansiosa pela visita do presidente português, e, apesar de pouco saber sobre Marcelo, confessa-se, no entanto, defensora acérrima do estilo até agora demonstrado pelo chefe de Estado. "Sei que é um presidente do povo, que é simples e que às vezes sai sem guarda-costas, Não sei muita coisa", afirma.

Mas, mesmo não conhecendo em detalhe presidente português, a estudante e vendedora está preparada para mostrar-lhe alguma da tradição e pondera até avançar para um convite.

"Quero mostrar-lhe a nossa tradição, que é o batuque. E espero dançar com ele", diz, entre risos. Questionada sobre se Marcelo Rebelo de Sousa irá, ou não, aceitar o convite, sublinha: "Espero que sim".

Um desafio à espera do presidente, na Cidade Velha, na Ribeira Grande de Santiago - considerada uma das marcas dos descobrimentos portugueses e um dos berços da sociedade crioula -, onde o chefe de Estado irá passear pelas ruas.

Ainda durante a manhã, o presidente da República irá passar pelo Palácio Presidencial, pela Câmara Municipal da Praia e deposita uma coroa de flores no Memorial Amílcar Cabral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.