Cidade Velha aguarda Marcelo, o "presidente do povo"

Depois de ontem ter passado o dia na Ilha do Fogo, o presidente da República visita a Cidade Velha, na Ilha de Santiago. E há quem queira convidá-lo para dançar ao som dos batuques.

"UNESCO reconhece a Cidade Velha como Património da Humanidade e os alunos estão cheios de orgulho na cidade linda". A frase cantada por um grupo de crianças, ali mesmo na praça principal, junto do Pelourinho, mostra a felicidade - e o tal orgulho - de quem habita aquela que já foi uma das cidades de referência de Cabo Verde.

Incluída na lista do Património Mundial da Humanidade desde 2009, diz a história que a Cidade Velha, que em tempos era apenas designada de Ribeira Grande, é um verdadeiro testemunho da presença colonial europeia, e, em particular portuguesa, em África, há mais de 500 anos.

Um cidade repleta de história e de ligações a Portugal, que recebe esta segunda-feira a visita de Marcelo Rebelo de Sousa, no segundo dia de três dias da visita de Estado ao arquipélago cabo-verdiano.

Na praça principal junto do Pelourinho, Mami, de 50 anos, é uma das vendedoras mais antigas no local. A visita do presidente da República, conta-nos, soube-a, através da Câmara Municipal. Sobre o chefe de Estado, admite, pouco sabe, mas não poupa nos elogios, a este e aos outros portugueses: "Gosto muito dos portugueses, os portugueses mostram um coração grande para toda a África", diz.

Na banca ao lado, Arlete, de 56 anos, também pouco sabe acerca de Marcelo Rebelo de Sousa, mas ainda se lembra de outras visitas de nomes importantes da política nacional: "Cavaco Silva e um senhor que se chamava Ramalho Eanes".

Já a filha, Neuza, também ela vendedora, diz-se ansiosa pela visita do presidente português, e, apesar de pouco saber sobre Marcelo, confessa-se, no entanto, defensora acérrima do estilo até agora demonstrado pelo chefe de Estado. "Sei que é um presidente do povo, que é simples e que às vezes sai sem guarda-costas, Não sei muita coisa", afirma.

Mas, mesmo não conhecendo em detalhe presidente português, a estudante e vendedora está preparada para mostrar-lhe alguma da tradição e pondera até avançar para um convite.

"Quero mostrar-lhe a nossa tradição, que é o batuque. E espero dançar com ele", diz, entre risos. Questionada sobre se Marcelo Rebelo de Sousa irá, ou não, aceitar o convite, sublinha: "Espero que sim".

Um desafio à espera do presidente, na Cidade Velha, na Ribeira Grande de Santiago - considerada uma das marcas dos descobrimentos portugueses e um dos berços da sociedade crioula -, onde o chefe de Estado irá passear pelas ruas.

Ainda durante a manhã, o presidente da República irá passar pelo Palácio Presidencial, pela Câmara Municipal da Praia e deposita uma coroa de flores no Memorial Amílcar Cabral.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.