Chuva regressa hoje. Temperaturas descem até 6 graus

Estado do tempo só melhora no início da semana

A chuva regressa esta sexta-feira a Portugal continental e permanece pelo menos até ao início da semana, prevendo-se ainda uma descida da temperatura máxima entre 4 a 6 graus Celsius, disse à Lusa a meteorologista Cristina Simões.

"Vai regressar a chuva. O território do continente está sob influência de uma depressão centrada a sudoeste do continente e vai trazer-nos alguma instabilidade especialmente nas regiões centro e sul,", adiantou a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Cristina Simões, está previsto para esta sexta-feira de manhã na região sul alguma nebulosidade que vai estender-se à tarde para a região Centro.

Na região Centro e Sul estão previstos já hoje aguaceiros e até trovoada. A partir de amanhã, sábado, já vamos ter aguaceiros e períodos de chuva um pouco por todo o território, especialmente no sul onde pode ocorrer trovoada

A especialista do IPMA explicou que como a depressão está situada a sudoeste vai afetar mais a região Sul.

"Vamos ter também o vento a soprar temporariamente forte no Algarve e nas terras altas do Centro e Sul daí ter sido emitido um aviso amarelo para o distrito de Faro. Estão previstas rajadas da ordem dos 70 quilómetros por hora", indicou.

De acordo com Cristina Simões, a situação de instabilidade vai permanecer no território do continente até domingo, com possibilidade de aguaceiros por vezes fortes e acompanhados de trovoada.

"De salientar ainda uma descida da temperatura máxima entre 4 a 6 graus, ficando em quase todo o território máximas abaixo dos 25 graus. Agora estão acima e nalgumas localidades até perto de 30. Teremos esta descida no sábado, mas ainda são temperaturas amenas para esta época do ano", disse.

No que diz respeito ao início da semana, Cristina Simões indicou que a tendência é para uma melhoria.

A segunda-feira deverá ser um dia de transição. Na terça-feira será já sem precipitação. Vamos aguardar por novos dados, mas a previsão indica-nos uma melhoria do estado do tempo em relação a esta instabilidade

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.