O tempo que vamos ter no Natal e Ano Novo

O mau tempo regressa a partir de 25 de dezembro e irá manter-se até ao último dia de 2017

Vai ser um Natal chuvoso e de pouco frio, de acordo com as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). O mesmo cenário irá repetir-se no dia 31 de dezembro.

O tempo deverá manter-se seco até ao próximo domingo, véspera de Natal, com céu pouco nublado ou limpo, no qual a probabilidade de ocorrência de precipitação é inferior a 10%, mas com períodos de chuva fraca ou chuvisco no Algarve, estendendo-se a toda a região sul a partir do início da tarde, segundo a previsão meteorológica divulgada pelo IPMA.

Para o dia de Natal, 25 de dezembro, prevê-se céu geralmente muito nublado, com períodos de chuva fraca ou aguaceiros fracos, aumentando de
intensidade e frequência a partir do final da tarde, em especial no litoral norte e centro.

Haverá queda de neve acima dos 1400 metros a partir do final da tarde e uma pequena subida da temperatura mínima (para 9º). A temperatura máxima rondará os 15º.

A chuva irá manter-se durante a semana em todo o país e o último dia do ano 2017 será igualmente chuvoso, com as temperaturas mínimas a rondarem os 9 graus, no Porto, e os 10, em Lisboa, e as máximas a chegarem os 16 nos dois distritos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.