China rejeita critérios de género e origem para novo líder da ONU

Pequim apoia o "mais capaz" dos candidatos a secretário-geral das Nações Unidas, qualidade que tem sido atribuída a António Guterres

O foco das atenções para a escolha do novo secretário-geral da ONU tem incidido nos últimos dias sobre a Rússia mas, ontem, a China tomou posição pública sobre essa eleição: quer o "mais capaz" dos candidatos no cargo.

Esta declaração aparenta encaixar no perfil do português António Guterres, que venceu as quatro votações já realizadas no Conselho de Segurança - a primeira das quais sem qualquer voto contra - e foi apontado como o melhor dos 12 candidatos que participaram nas audições e debates públicos nas Nações Unidas.

"Embora [os chineses] não se comprometam com nomes, é inevitável que estas declarações nos convoquem a imagem de António Guterres, porque é apontado como o mais qualificado e o mais capaz... é assim que a imprensa internacional tem feito os títulos todos", afirma ao DN Mónica Ferro, professora universitária e especialista em Nações Unidas .

Isso mesmo foi recordado esta semana pelo académico Richard Gowan, do Conselho Europeu de Relações Externas (grupo de reflexão sedeado em Londres): "António Guterres parecia um candidato periférico quando entrou na corrida [...]. A sua sorte mudou dramaticamente em abril, quando a Assembleia geral da ONU realizou uma ronda de audições com os candidatos. Guterres, espirituoso e obviamente conhecedor dos problemas das Nações Unidas, foi genericamente declarado o vencedor destes encontros públicos."

Mónica Ferro - que não fez parte da equipa que preparou a candidatura do ex-primeiro-ministro - adianta que "não houve da parte do governo chinês um endosso específico" a qualquer dos nove nomes ainda na corrida para secretário-geral da ONU. Contudo, a declaração feita ontem por um porta-voz oficial da diplomacia de Pequim "desvaloriza um pouco a notícia" de maio sobre a ida de Guterres à China.

António Guterres, recorda Mónica Ferro, "foi recebido pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros [Li Baodong] e isso foi usado como uma tentativa de secundarizar a candidatura" de Guterres, quando "afinal a China não tem um candidato que patrocine diretamente".

A reação oficial da China surgiu pouco depois de o jornal South China Morning Post (de Hong Kong) - citando "analistas chineses" - escrever ontem que a búlgara Irina Bukova era "a favorita de Pequim para liderar as Nações Unidas" a partir de janeiro de 2017.

A diretora-geral da UNESCO é a única dos nove candidatos que preenche os dois critérios informais inicialmente apontados como decisivos - mais do que o do mérito, assinalado pela diplomacia portuguesa - na escolha do sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon: ser mulher e do Leste europeu.

O facto de Bukova continuar longe dos primeiros lugares nas votações informais já realizadas pelo Conselho de Segurança, recebendo cinco votos de "desencorajamento" nas duas últimas, reforçou a especulação em torno do lançamento da candidatura de outra búlgara, Kristalina Giorgieva.

Encontros de Santos Silva

Lu Kang, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, frisou ontem em conferência de imprensa que "a ONU está a analisar as candidaturas e a China vai trabalhar com os outros países para assegurar que é o [candidato] mais capaz a assumir o cargo".

Recorde-se que o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, encontrou-se em julho passado com o seu homólogo chinês, à margem da Cimeira Ásia-Europa que se realizou na capital da Mongólia, Ulan Bator.

Santos Silva, que deve reunir-se hoje à margem da Assembleia Geral da ONU com o homólogo russo, Sergey Lavrov, para analisar o apoio de Moscovo à candidatura de Guterres, manteve contactos com os ministros europeus no âmbito das reuniões da UE. Com o chefe da diplomacia norte-americana, John Kerry, falou no jantar transatlântico oferecido pelos EUA aos altos presentes esta semana em Nova Iorque, disse fonte oficial ao DN.

Portugal, que nos últimos meses reforçou a sua representação diplomática junto da ONU por causa da candidatura de Guterres, dirigiu esta semana os seus esforços diplomáticos para Moscovo - a começar com a entrevista do ex-primeiro-ministro à agência russa Sputnik.

"António Guterres tenta demonstrar que tem perfil para o cargo - a independência, a imparcialidade, o agir de acordo com carta da ONU - porque essa é uma mensagem importante para aquela zona do mundo", diz Mónica Ferro, que rejeita a ideia de Moscovo opôr-se ao português por ser ex-chefe de governo de um país da NATO.

"O que poderá ser um óbice é a Rússia decidir que é extremamente importante o candidato ser da Europa de Leste... a questão não é Guterres e o percurso dele, pois isso funciona tudo a favor dele", argumenta a professora universitária, lembrando o empenho de Guterres "a favor dos Direitos Humanos e da paz" e o "não congregar uma ideia militarista ou política que favoreça uma solução securitária" para problemas como o dos refugiados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.