CGTP organiza "uma grande manifestação nacional" a 18 de novembro

Arménio Carlos anunciou ainda uma campanha de luta contra a precariedade

A CGTP convocou hoje os trabalhadores dos setores público e privado, jovens, reformados e desempregados para "uma grande manifestação nacional" em Lisboa a 18 de novembro.

O líder da intersindical nacional, Arménio Carlos, anunciou a manifestação no encontro nacional da CGTP-In, hoje em Lisboa, explicando que esta é uma luta pela "valorização do trabalho e dos trabalhadores, pela exigência do aprofundamento do rumo de reposição e conquista de direitos e pelo combate às injustiças e desigualdades", entre outras reivindicações.

No encontro nacional, que reuniu em Lisboa 750 delegados e ativistas sindicais, Arménio Carlos enumerou algumas das mais recentes lutas dos trabalhadores, como a greve dos enfermeiros ou a luta interna na Autoeuropa, e lembrou que é devido a essas lutas que a intersindical quer "realizar um momento de convergência nacional" com uma grande manifestação nacional a 18 do próximo mês.

Arménio Carlos anunciou ainda uma campanha de luta contra a precariedade, através do lançamento de uma petição nacional que, na sua opinião, vai "ser um marco no combate à precariedade".

"É um problema de todos a precaridade", afirmou o sindicalista, justificando esta afirmação com o facto de Portugal precisar de estabilidade e segurança, ao nível demográfico, para se poder desenvolver.

Na petição, aprovada na segunda-feira, no conselho nacional da CGTP, refere-se existirem em Portugal "mais de" um milhão de trabalhadores com vínculo precário e atribui-se a esta precaridade "a insegurança no emprego e a incerteza na vida dos trabalhadores e das suas famílias e um problema para a demografia do país".

No documento, a que a Lusa teve acesso, os signatários da petição "exigem", nomeadamente, a passagem a efetivos dos desempregados com contratos de emprego-inserção e que estão a ocupar postos de trabalho permanentes e o reforço dos meios e competência da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), entre outras reivindicações.

O outro documento aprovado segunda-feira no conselho nacional da CGTP, uma resolução intitulada "Lutar para Valorizar o trabalho e os trabalhadores", a intersindical enumera as suas reivindicações e "exige que o Orçamento do Estado para o próximo ano "dê prioridade a medidas que assegurem uma reforma da política fiscal que alivie os rendimentos do trabalho e taxe mais os do capital".

Essa resolução, através da qual a CGTP também convoca os trabalhadores para uma manifestação nacional em novembro, vai ser entregue hoje à tarde ao Ministério do Trabalho, no final do encontro nacional, e depois de uma marcha dos cerca de 750 delegados e ativistas sindicais presentes neste encontro, que começou esta manhã em Lisboa.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.