CGTP alerta para despedimentos no Metro de Lisboa e Carris. Governo nega

A CGTP diz ter recebido um ofício do Ministério da Economia que dava um prazo de cinco dias para a organização se pronunciar sobre a redução de trabalhadores nos transporte de Lisboa.

O secretário-geral da CGTP-IN revelou esta quinta-feira que o Governo vai despedir trabalhadores na Carris e no Metropolitano de Lisboa, o que foi já negado pelo Ministério da Economia.

"Ontem [quarta-feira], a CGTP recebeu um ofício do Ministério da Economia a dar cinco dias para nos pronunciarmos sobre a redução de trabalhadores na Carris e no Metro", disse Arménio Carlos no plenário de trabalhadores do Metropolitano de Lisboa que se realizou ao fim da manhã.

Segundo o sindicalista, a Transportes de Lisboa está a "dinamizar todo um processo para pôr algumas centenas de trabalhadores na rua, agora sob o efeito da denominada rescisões por mútuo acordo".

Questionado pelos jornalistas, Arménio Carlos disse ainda que o Ministério não identifica no documento o número de trabalhadores a dispensar.

Contactada pela Lusa, fonte do Ministério da Economia esclareceu que não vão ser dispensados trabalhadores e que a situação a que o secretário-geral da CGTP se refere decorre de um procedimento habitual nas empresas.

A mesma fonte explicou que "todos os anos as empresas podem fazer até 80 rescisões amigáveis com trabalhadores que estejam próximos da reforma".

"Este ano, essa quota foi superada [por vontade dos trabalhadores] e, daí, resulta o documento enviado à CGTP", acrescentou.

A agência Lusa tentou também contactar com a Transportes de Lisboa, que gere o metro e a Carris, mas até ao momento não foi possível obter esclarecimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).