CEO da TAP apanha voo com atraso e pede desculpas aos passageiros com críticas à ANA

Antonoaldo Neves não deixou passar em claro o atraso de uma hora para um dos voos da companhia levantar voo e fez um discurso sobre a falta de investimento no aeroporto de Lisboa, que está "totalmente congestionado"

Já levava uma hora de atraso para levantar voo. Os passageiros faziam a ligação Porto Lisboa e desesperavam para chegar ao destino. Entre eles, um especial. Antonoaldo Neves, o novo presidente da TAP.

Confrontado com a situação, o brasileiro não ficou parado e deu a cara pela companhia aérea, pedindo desculpas a todos pelo não cumprimento dos horários. O CEO pegou no intercomunicador da tripulação de cabine e fez uma declaração aos companheiros de viagem. O vídeo foi filmado por um passageiro e divulgado pelo Correio da Manhã.

"Começo por pedir desculpas, estão muito difíceis os voos em Lisboa... Nós tentamos fazer o possível para recuperar, mas está difícil. Nós trabalhamos duro, mas infelizmente, não está na responsabilidade da TAP", começou por dizer o executivo que culpa a ANA - Aeroportos de Portugal, empresa que gere os aeroportos, de falta de investimento.

"Eu vim no voo das 10:00 que só está a sair às 11:00. Há uma restrição enorme no tráfego aéreo no aeroporto de Lisboa e os voos já saem sempre com 30, 40, 50 minutos de atraso. É um desconforto enorme para todos vocês e peço desculpa pelo atraso. Sem investimento no Aeroporto de Lisboa e no controlo de tráfego aéreo, a operação em Lisboa não vai melhorar", identificou.

Por isso, aproveitou o comunicado para fazer um apelo à sociedade civil. "O máximo que podemos fazer é juntar forças com a sociedade ara tentar melhorar as infraestruturas do aeroporto e as condições de controlo de tráfego aéreo, que está totalmente congestionado por falta de investimentos".

O momento foi captado por um dos passageiros que seguia no voo.

O presidente da TAP repetiu a mensagem também em inglês.

O DN contactou a transportadora aérea portuguesa que confirmou o incidente, escusando-se a fazer mais comentários sobre a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.