CEO da TAP apanha voo com atraso e pede desculpas aos passageiros com críticas à ANA

Antonoaldo Neves não deixou passar em claro o atraso de uma hora para um dos voos da companhia levantar voo e fez um discurso sobre a falta de investimento no aeroporto de Lisboa, que está "totalmente congestionado"

Já levava uma hora de atraso para levantar voo. Os passageiros faziam a ligação Porto Lisboa e desesperavam para chegar ao destino. Entre eles, um especial. Antonoaldo Neves, o novo presidente da TAP.

Confrontado com a situação, o brasileiro não ficou parado e deu a cara pela companhia aérea, pedindo desculpas a todos pelo não cumprimento dos horários. O CEO pegou no intercomunicador da tripulação de cabine e fez uma declaração aos companheiros de viagem. O vídeo foi filmado por um passageiro e divulgado pelo Correio da Manhã.

"Começo por pedir desculpas, estão muito difíceis os voos em Lisboa... Nós tentamos fazer o possível para recuperar, mas está difícil. Nós trabalhamos duro, mas infelizmente, não está na responsabilidade da TAP", começou por dizer o executivo que culpa a ANA - Aeroportos de Portugal, empresa que gere os aeroportos, de falta de investimento.

"Eu vim no voo das 10:00 que só está a sair às 11:00. Há uma restrição enorme no tráfego aéreo no aeroporto de Lisboa e os voos já saem sempre com 30, 40, 50 minutos de atraso. É um desconforto enorme para todos vocês e peço desculpa pelo atraso. Sem investimento no Aeroporto de Lisboa e no controlo de tráfego aéreo, a operação em Lisboa não vai melhorar", identificou.

Por isso, aproveitou o comunicado para fazer um apelo à sociedade civil. "O máximo que podemos fazer é juntar forças com a sociedade ara tentar melhorar as infraestruturas do aeroporto e as condições de controlo de tráfego aéreo, que está totalmente congestionado por falta de investimentos".

O momento foi captado por um dos passageiros que seguia no voo.

O presidente da TAP repetiu a mensagem também em inglês.

O DN contactou a transportadora aérea portuguesa que confirmou o incidente, escusando-se a fazer mais comentários sobre a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.