Centro Hospitalar abre inquérito sobre mortes por falta de médicos

Comunicado revela que centro abriu um processo de inquérito interno para apuramento dos factos relatados na imprensa

O conselho de administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central abriu esta quinta-feira um inquérito interno para apurar se mais doentes com rutura de aneurisma terão morrido no hospital de São José por falta de especialistas para operar - além do caso que veio a pública esta semana, de David Duarte. O secretário de Estado da Saúde garantiu esta tarde que a tutela está a fazer o mesmo.

"Face às notícias vindas hoje a público sobre as mortes de doentes com rutura de aneurisma, o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) informa que o conselho de administração abriu um processo de inquérito interno para apuramento dos factos relatados", refere um comunicado do CHLC.

O semanário Expresso e o jornal Público avançaram hoje que a morte de David Duarte, na madrugada de domingo, causada pela falta de neurocirurgiões para o operar não foi caso único, tendo uma fonte hospitalar dito ao Expresso que, desde 2014, mais quatro doentes com ruturas de aneurisma terão morrido devido à falta de especialistas ao fim de semana.

Reagindo às notícias de hoje, o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, disse, em Chaves, que a tutela está a "averiguar e a confirmar" se ocorreram mais quatro mortes no Hospital São José, em Lisboa, por falta de assistência.

"Estamos a averiguar e a tentar confirmar essas ocorrências. São situações manifestamente inaceitáveis que o Ministério da Saúde e os seus responsáveis, nomeadamente o ministro da Saúde, não tinham conhecimento", afirmou o governante, à margem de uma visita ao Hospital de Chaves, distrito de Vila Real.

A prevenção aos fins de semana da neurocirurgia-vascular está suspensa desde abril de 2014 e da neuroradiologia de intervenção desde 2013, na sequência de cortes nas remunerações dos profissionais de saúde.

"Não é aceitável que hospitais centrais, como é o de São José, não deem respostas em áreas onde há, do ponto de vista técnico e de recursos humanos, competências próprias para o efeito", comentou o governante, assegurando que o Governo PS "tudo fará" para que estas situações sejam "sejam rapidamente ultrapassadas".

Na sequência da morte do jovem, os presidentes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), do Centro Hospitalar de Lisboa Central e do Centro Hospitalar Lisboa Norte demitiram-se.

O Ministério da Saúde pediu à administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central e à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para apurarem eventuais responsabilidades do Hospital de São José na morte de o doente.

A Procuradoria-Geral da República já abriu inquérito à morte de David Duarte para averiguar eventuais ilícitos criminais e responsabilidade do Estado, administradores e médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.