Centro Hospitalar abre inquérito sobre mortes por falta de médicos

Comunicado revela que centro abriu um processo de inquérito interno para apuramento dos factos relatados na imprensa

O conselho de administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central abriu esta quinta-feira um inquérito interno para apurar se mais doentes com rutura de aneurisma terão morrido no hospital de São José por falta de especialistas para operar - além do caso que veio a pública esta semana, de David Duarte. O secretário de Estado da Saúde garantiu esta tarde que a tutela está a fazer o mesmo.

"Face às notícias vindas hoje a público sobre as mortes de doentes com rutura de aneurisma, o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) informa que o conselho de administração abriu um processo de inquérito interno para apuramento dos factos relatados", refere um comunicado do CHLC.

O semanário Expresso e o jornal Público avançaram hoje que a morte de David Duarte, na madrugada de domingo, causada pela falta de neurocirurgiões para o operar não foi caso único, tendo uma fonte hospitalar dito ao Expresso que, desde 2014, mais quatro doentes com ruturas de aneurisma terão morrido devido à falta de especialistas ao fim de semana.

Reagindo às notícias de hoje, o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, disse, em Chaves, que a tutela está a "averiguar e a confirmar" se ocorreram mais quatro mortes no Hospital São José, em Lisboa, por falta de assistência.

"Estamos a averiguar e a tentar confirmar essas ocorrências. São situações manifestamente inaceitáveis que o Ministério da Saúde e os seus responsáveis, nomeadamente o ministro da Saúde, não tinham conhecimento", afirmou o governante, à margem de uma visita ao Hospital de Chaves, distrito de Vila Real.

A prevenção aos fins de semana da neurocirurgia-vascular está suspensa desde abril de 2014 e da neuroradiologia de intervenção desde 2013, na sequência de cortes nas remunerações dos profissionais de saúde.

"Não é aceitável que hospitais centrais, como é o de São José, não deem respostas em áreas onde há, do ponto de vista técnico e de recursos humanos, competências próprias para o efeito", comentou o governante, assegurando que o Governo PS "tudo fará" para que estas situações sejam "sejam rapidamente ultrapassadas".

Na sequência da morte do jovem, os presidentes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), do Centro Hospitalar de Lisboa Central e do Centro Hospitalar Lisboa Norte demitiram-se.

O Ministério da Saúde pediu à administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central e à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para apurarem eventuais responsabilidades do Hospital de São José na morte de o doente.

A Procuradoria-Geral da República já abriu inquérito à morte de David Duarte para averiguar eventuais ilícitos criminais e responsabilidade do Estado, administradores e médicos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?