Centro de Saúde evacuado após ameaça de bomba já retomou atividade

Motivo apresentado pelo autor da ameaça de bomba fora a desmarcação de várias consultas devido à ausência de uma médica por baixa.

O Centro de Saúde de Oliveira de Azeméis, evacuado após uma ameaça de bomba motivada pela desmarcação de consultas, retomou a sua atividade às 13:15 de hoje, revelou a GNR, que não encontrou qualquer engenho explosivo no local.

Em causa está a unidade de São Roque, onde o alerta foi dado por volta das 10:30 e obrigou a que saíssem do recinto todos os seus funcionários e utentes, implicando também a evacuação do edifício contíguo da Junta de Freguesia e a intervenção de uma brigada de inativação de explosivos.

"Não passou tudo de uma ameaça", garantiu à Lusa o tenente Gonçalo Ribeiro, do comando distrital de Aveiro da GNR, acrescentando que "foi feita uma busca a todo o edifício e nada foi encontrado".

Após a análise efetuada ao imóvel pela brigada de desativação de explosivos dessa força policial, os funcionários do centro de saúde foram reconduzidos para os seus postos de trabalho e procederam também eles a uma busca.

"Pedimos-lhes que avaliassem se haveria no local algo estranho, diferente do habitual, mas também não houve registo de nada, pelo que o centro de saúde estará por esta altura a retomar a sua atividade normal", afirmou o tenente da GNR às 14:00.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis já explicara ao fim da manhã à Lusa que o motivo apresentado pelo autor da ameaça de bomba fora a desmarcação de várias consultas devido à ausência de uma médica por baixa.

"[O indivíduo] ligou para lá a dizer que, se as consultas não fossem remarcadas até ao final do dia de hoje, fazia explodir o dispositivo que deixara no centro de saúde", contou Paulo Vitória.

Nem o sujeito nem o telefone que utilizou foram ainda identificados, mas o tenente Gonçalo Ribeiro assegura que o incidente será agora "sujeito às devidas diligências de investigação, para que se possa apurar quem foi o autor da ameaça".

A Lusa contactou a direção do Agrupamento de Centros de Saúde do Entre Douro e Vouga II Aveiro Norte, assim como a administração da Administração Regional de Saúde do Norte para saber quantas consultas foram hoje desmarcadas no Centro de Saúde de São Roque, quantos utentes foram afetados pela medida e quanto tempo terão esses que esperar até nova remarcação, mas até ao momento nenhuma dessas entidades forneceu os dados solicitados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.