"É uma honra ser o próximo presidente". Centeno eleito para Eurogrupo

Centeno foi à segunda volta só com Pierre Gramegna (Luxemburgo), depois da desistência dos outros dois candidatos

Mário Centeno foi eleito presidente do Eurogrupo, o fórum de ministros das Finanças da zona euro, hoje em Bruxelas, anunciou o Conselho da União Europeia. O ministro português, que era o candidato dos socialistas europeus, conseguiu apoio suficiente para ultrapassar Pierre Gramegna (Luxemburgo) - a candidata da Letónia, Dana Reizniece-Ozola, e o candidato Peter Kazimir (Eslováquia) tinham desistido na primeira volta.

Nenhum candidato conseguiu uma maioria simples na primeira volta, ou seja, pelo menos 10 votos - o ministro das Finanças português conseguiu 8 votos. Depois da primeira ronda, os trabalhos sofreram uma pausa para contactos com a corrida reduzida a dois candidatos. No regresso, tudo foi muito rápido e acabou com a esperada eleição do português.

Na conferência de imprensa após a reunião, o atual presidente Jeroen Dijsselbloem dizendo que foi escolhido entre "quatro candidatos excelentes" à sua substituição, desejando-lhe felicidades no futuro cargo. "Depois de duas rondas, Mário Centeno foi escolhido", acrescentou, desejando ao seu sucessor felicidades no cargo.

"É uma honra ser o próximo presidente do Eurogrupo", respondeu Centeno, nas suas primeiras palavras, em inglês, após ter sido eleito. "E é uma honra [ser o novo presidente] devido à relevância deste grupo, à qualidade dos meus colegas e à importância do trabalho que temos de fazer nos próximos anos", declarou Centeno, que sublinhou que esse trabalho "tem de ser feito por todos os membros que pertence ao euro, Comissão, instituições europeias".

Centeno torna-se assim o terceiro presidente da história do Eurogrupo, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Dijsselbloem, assumindo funções em janeiro para um mandato de dois anos e meio, até meados de 2020.

A eleição de Centeno era vista como certa e até o holandês Jeroen Dijsselbloem assumiu que seria presidente "até dia 12 de janeiro e Mário Centeno [assumirá o cargo] a 13", à entrada, dizendo depois que tinha sido um lapso.

Também Centeno tinha assumido à entrada para a reunião que o objetivo era ganhar e que seria um bom resultado se fosse logo na primeira volta, algo que não aconteceu.

Uma "voz mais forte" nas instituições europeias

Para o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, com Mário Centeno na presidência do Eurogrupo, Portugal vai ter "uma voz mais forte" nas instituições europeias, mas também "um preço de exigência acrescida" em termos financeiros. Falando ainda antes da votação, Marcelo deu a eleição como certa: "Quando olham agora para Portugal olham para o país que tem o presidente do Eurogrupo. Não é exatamente a mesma coisa. Era um patinho feio, para muitos, muito feio, há dois anos, e agora, de repente, é um cisne resplandecente. Isso faz toda a diferença".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.