CDS acusa: Capoulas Santos é o rosto da falta de ordenamento florestal

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, acusou hoje o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, de ser "o responsável máximo pela falta de ordenamento florestal" e de "incapacidade, incompetência e inaptidão" para ocupar o cargo que ocupa.

Nuno Magalhães reagia desta forma a declarações feitas hoje pelo ministro da Agricultura relativamente a uma legislação produzida no anterior Governo pela sua antecessora e atual líder do CDS/PP, Assunção Cristas.

Capoulas Santos classificou de "ineficaz" essa legislação, que permitiria identificar os proprietários de terrenos florestais sem dono conhecido, propondo-se a alterá-la "para melhor".

Considerando que o CDS tem revelado sentido de Estado e de dever durante os incêndios, procurando focar-se no essencial e em dar apoio a quem está no terreno, Nuno Magalhães afirmou que essa postura "foi quebrada hoje e de forma grave e muito séria pelo senhor ministro Capoulas Santos, que fez declarações muitíssimo graves".

Na opinião do líder parlamentar do CDS/PP, as declarações do ministro "revelam o seu desespero, a sua incapacidade, a sua incompetência e inaptidão para ocupar o lugar em que está, tanto mais que o fez enquanto ministro e em visita ao local, ainda, infelizmente, afetado pelo flagelo dos incêndios".

"Na verdade, o país conhece-o há muitos anos, há mais de três décadas e se há alguém que enquanto autarca, enquanto deputado, enquanto secretário de Estado, enquanto eurodeputado, enquanto ministro, sempre a trabalhar nesta área, é a cara e o responsável máximo da falta de ordenamento florestal é o senhor Capoulas Santos, que desde 1991, pelo menos, até antes, ocupa cargos governamentais na administração local ou central", acusou.

Nuno Magalhães considerou ainda que se o governante tivesse "um módico de modéstia" ou, até mesmo, "de vergonha", deveria estar mais preocupado com o que aconteceu do que em fazer acusações à sua antecessora.

"Na verdade, anedótico foi aquilo que o senhor ministro disse aqui há uns tempos, e escreveu, que deveríamos abdicar da prevenção aos fogos para apostar no combate aos fogos florestais", acusou.

O líder parlamentar centrista vincou que Capoulas Santos tem que perceber que é ministro, que, nessa condição, tem de fazer reformas e que, para fazer reformas, tem de ter apoio paramentar.

"Se não as faz é porque não tem apoio parlamentar da sua maioria, do seu governo, e se não tem esse apoio parlamentar, provavelmente deve-se à sua pouca, ou nenhuma, ou mesmo insignificante poder do ponto de vista politico", afirmou.

Para o responsável do CDS/PP, "é tempo de este ministro aprender com erros, assumir as responsabilidades, aparecer e crescer do ponto de vista político e sobretudo falar menos e fazer mais".

Nas declarações que fez relativamente à legislação produzida por Assunção Cristas, Capoulas Santos disse que era de tal forma ineficaz que em três anos apenas permitiu identificar dois prédios sem dono conhecido.

Sendo que um deles [dos três prédios] se veio a verificar que não correspondia a essa situação", acrescentou o governante.

"Este grau de ineficácia é que nos obriga a melhorar esta legislação e não é, obviamente, nenhuma atitude persecutória contra o diploma que existia, que se fosse bom, tal como acontece com outros, manteríamos, mas sendo totalmente ineficaz obviamente que temos de alterar", argumentou Capoulas Santos.

Na quinta-feira, em conferência de imprensa no parlamento, Assunção Cristas acusou o ministro Capoulas Santos de ter "deitado ao lixo" legislação deixada pelo anterior Governo, que poderia ser útil no combate aos incêndios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.