Cristas falou, mas PS não viu "nenhuma medida concreta"

A secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes, afirmou hoje que viu muitas preocupações, mas "nenhuma medida concreta" no Congresso do CDS-PP e defendeu que Assunção Cristas integrou o governo "que mais empobreceu" o país.

"Vemos muitas preocupações, mas não vemos nenhuma medida concreta para resolver os problemas das populações. Não podemos deixar passar aqui que a mesma Assunção Cristas que hoje se dirigiu aos congressistas e ao país pedindo mais igualdade e respeito pelas pessoas foi a mesma que fez parte de um governo que mais empobreceu o país", disse.

Ana Catarina Mendes falava aos jornalistas no final do 27.º Congresso do CDS-PP, que terminou hoje em Lamego, Viseu, com a presidente dos centristas, Assunção Cristas, a assumir a bandeira da igualdade de género e a apontar como prioridades a demografia, o território e a inovação como prioridades.

A deputada Ana Catarina Mendes, que encabeçou a delegação do PS ao congresso democrata-cristão, devolveu ao CDS-PP as acusações de "imobilismo" que Assunção Cristas tinha feito aos socialistas e apelou para que "não se perca a memória".

Ouvir hoje a doutora Assunção Cristas falar da sua preocupação com o interior ou com a floresta é verdadeiramente notável para quem não se esquece daquilo que foi a inação, esse sim o imobilismo de Assunção Cristas pela pasta das florestas

"A ambição é saudável, mas não percamos a memória e a memória é que Assunção Cristas fez parte de um governo que mais mal fez e maior retrocesso social provocou", disse, frisando que o caminho que o PS está a fazer "está a ter resultados positivos".

A deputada socialista sustentou que o PS "sempre foi o partido do diálogo" e está "sempre disponível para discutir com todos", mas não estará disponível para "voltar a por em cima da mesa os cortes de 600 milhões de euros de pensões aos nossos pensionistas".

Ana Catarina Mendes sublinhou ainda que os "parceiros" do PS na atual solução governativa - PCP, BE e PEV - são "os parceiros que têm ajudado a conduzir o país a uma situação melhor".

O 27.º Congresso do CDS-PP terminou hoje em Lamego com a eleição dos órgãos nacionais do partido e o discurso de encerramento da presidente centrista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."