CDS quer voltar ao governo como "alternativa de direita"

No congresso de Lamego, Cristas assumirá que concorre sozinha às legislativas, mas espera formar um executivo de coligação

"Ser a primeira escolha dos portugueses"; "É na oposição que melhor se prepara a governação"; "Preparar um trabalho hoje para quando os portugueses nos quiserem a governar amanhã"; "O nosso grande desafio é dizer a todos os portugueses que podemos chegar lá". São 16 páginas de moção que a líder do CDS vai apresentar no congresso do partido em Lamego, no fim de semana de 10 e 11 de março, e em cinco delas, Assunção Cristas reforça uma ideia-chave: os centristas querem voltar ao governo e esperam mesmo ser a "alternativa de centro-direita ao governo" nas próximas legislativas, às quais concorrerão sozinhos.

Aliás, nas cerca de 6400 palavras da moção "CDS - um passo à frente", a sigla PSD surge uma única vez, para lembrar que os sociais-democratas votaram a favor da moção de censura contra o governo, e Cristas afirma mesmo que liderou "claramente a oposição" nessa ocasião. Mas não só. "O CDS esteve sempre na linha da frente a desmascarar a estratégia do governo, nos momentos-chave do Orçamento e do Programa de Estabilidade, mas também todas as semanas, todos os dias, nas comissões parlamentares, a chamar os ministros e secretários de Estado ao Parlamento", frisa Cristas.

Descolar do "partido dos ricos"

Num texto assumidamente pragmático e menos ideológico (Assunção Cristas acaba mesmo a dizer que está mais focada "na solução do problema e menos na ideologia") a líder do CDS aponta o caminho para um partido catch-all, que quebre as "amarras das cores de uma sigla partidária" e vá buscar votos fora do eleitorado centrista tradicional. "Este é o grande desafio do CDS: fiel aos seus princípios fundadores, retirar os rótulos que foram sendo colados injustamente ao nosso partido, e deixar que, de forma mais livre, sem preconceitos e pré-entendimentos, se possa olhar para o CDS de hoje pelas suas propostas e pelos seus protagonistas. Queremos um CDS que já não é visto como partido "dos ricos", "dos patrões" ou "dos quadros", mas é o partido de todos, de todas as idades, homens e mulheres, rapazes e raparigas, que valorizam mais o trabalho, o mérito, as ideias, o afinco, a credibilidade e, sobretudo, a imaginação, a força criativa e o entusiasmo", ilustra Assunção Cristas no ponto três da moção, intitulado "CDS: o partido do futuro".

Depois de começar o texto por elencar as áreas onde sente que as propostas do CDS se destacaram - desde a proteção dos idosos até ao regime de capitalização na Segurança Social, passando pela estabilidade dos currículos na Educação -, Cristas conclui o documento com a explicação da estratégia do partido para as próximas eleições, deixando no ar (talvez motivada pelo seu resultado em Lisboa nas autárquicas de outubro de 2017, onde conseguiu uma vantagem considerável em relação ao PSD) a vontade de liderar o bloco do centro-direita após as votações do próximo ano: "Devemos disputar as eleições europeias e as legislativas em listas próprias, com a profunda convicção de que assim estaremos a dar o nosso melhor contributo para Portugal ter uma alternativa às esquerdas unidas. Em 2019, ganha quem conseguir reunir um apoio parlamentar de 116 deputados. Queremos ser a primeira escolha dos portugueses e dar o máximo contributo para atingir esse número. Somos alternativa de centro-direita ao governo das esquerdas unidas. Tudo faremos para dar uma sólida contribuição para que o centro-direita possa atingir esse número e, após as eleições, entender-se para governar."

Leia aqui a moção na íntegra

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.